Passei a minha infância colecionando carrinhos Matchbox. Tenho alguns ainda guardados numa caixa que está no quarto do meu filho mais velho, embora os melhores tenham ido para a casa do meu irmão do meio, que fez até um armário (com chave) para os carrinhos. O que se vê hoje nas lojas de brinquedo com o nome “Matchbox” não é nem sombra do que foram esses carrinhos há 30 anos. Mas veja só o presentão que acabo de ganhar.

 

Leslie Smith e Rodney Smith não eram parentes, apesar de terem o mesmo sobrenome. Foram colegas de escola e serviram à Marinha Real Britânica juntos durante a Segunda Guerra Mundial. Leslie e Rodney se associaram para fundar a Lesney Products em 1947.

Um grande sucesso da fábrica foi a miniatura em duas escalas da carruagem da rainha Elizabeth II em 1953, ano de sua coroação. O modelo de menor escala vendeu mais de 1 milhão de unidades.



A escola da filha de John Odell, sócio da companhia, só permitia que os alunos levassem brinquedos que coubessem em uma caixa de fósforos. As crianças costumavam levar insetos. Para mudar disso, Odell desenvolveu um brinquedo em miniatura daquele tamanho. Fez o maior sucesso entre a garotada. Em 1953, a empresa lançou os primeiros carrinhos. “Matchbox” significa “caixa de fósforos” em inglês.



Matchbox acabou se tornando sinônimo de carrinhos de metal com cerca de 6,5 centímetros. Nos anos 1970, as embalagens passaram a ser de plástico simples, assim como a da concorrente Hot Wheels. Apenas em 2004 foram relançadas como caixa de fósforos em comemoração aos 35 anos da série Superfast (os populares modelos em escala 1:64).

A Lesney faliu em 1982. Surgiu a Matchbox Toys, que no mesmo ano foi vendida e se tornou Matchbox International. Desde 1997, a empresa pertence à Mattel, que também é dona da Hot Wheels, antes maior rival da Matchbox.