Milton Glaser não ganhou nada ao criar o maior símbolo da cidade de Nova York, pois o fez voluntariamente. Na década de 1970, NY passava por tempos difíceis e foi feita uma campanha para promover o turismo na cidade. Glaser pensou que ela só duraria alguns meses, mas a logomarca permanece até hoje.

I LOVE NY

Depois do atentado terrorista ao World Trade Center, em 2001, o próprio Glaser fez uma modificação no que havia criado e distribuiu pôsteres com a inscrição “Eu amo Nova York mais do que nunca”. O chamuscado na parte inferior esquerda do coração é uma alusão às Torres Gêmeas, destruídas no atentado.

I LOVE NY EM HOMENAGEM AO WORLD TRADE CENTER

A logomarca original se espalhou por todo o mundo e passou a ser copiada. Só que a mais nova onda é trocar o coração por alguma outra coisa. Existem casos curiosos. Este modelo foi lançado para homenagear a cidade de São Paulo. Há uma que trata das enchentes, com um barquinho no lugar da nuvem, e outra que fala da maior paixão gastronômica do paulistano, que é uma boa fatia de pizza.

A loja KGB Clothing tem uma categoria só com estampas do tipo. Além da “I Love New York” tradicional, algumas são mais inusitadas, como a “I Love Tea” (“Eu Amo Chá”) e a “I Love Moustache” (“Eu Amo Bigode”). Cada uma custa 11,99 libras. Ah, e eles enviam encomendas para o mundo todo.

De todas, a mais divertida que vi nos últimos tempos veio de Tóquio e traz o personagem Godzilla em ação.

Leia também: Together: o projeto secreto do criador de I Love NY