Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Curiosidades da série “O Bem-Amado”

29 de abril de 2020

O Bem-Amado foi primeiramente uma novela escrita por Dias Gomes e exibida pela TV Globo, em 1973. Segundamente, ela foi a primeira novela brasileira a cores. A trama, os personagens e o texto transformaram O Bem-Amado num dos maiores sucessos da TV Brasileira.

Por isso, sete anos depois, a emissora resolveu dar continuidade à história e criou um seriado com o mesmo nome. “O Bem-Amado” ficou no ar de 1980 a 1984, com 220 episódios, também escrito por Dias Gomes.

O Bem-Amado era ambientada em Sucupira, cidade do litoral baiano, que tinha como prefeito o corrupto Odorico Paraguaçu, magistralmente interpretado por Paulo Gracindo. No último capítulo da novela, Zeca Diabo mata o prefeito. Mas, no início do primeiro episódio do seriado, o coveiro do cemitério ouve batidas vindas do caixão. Quando abre, ele descobre que Odorico está vivo, apesar dos dois tiros que havia tomado. O prefeito é levado para o hospital e sobrevive.

O Bem-Amado: a música que Vinícius de Moraes não compôs e nunca soube disso. Leia aqui

Vamos botar de lado os entretanto e ir direto para os finalmente

Além de satirizar o momento político e econômico do Brasil, o texto era recheado de expressões criadas para Odorico Paraguaçu, como “cachacistas juramentados”, mais advérbios inexistentes, casos de “talqualmente” e “puderamente”. Seu bordão antológico era: “vamos botar de lado os entretanto e ir direto para os finalmente”. A série O Bem-Amado era um verdadeiro painel de fatos reais que aconteciam no Brasil na época do início da abertura ainda dentro do governo militar.

O staff de Odorico Paraguaçu contava com o secretário Dirceu Borboleta (o ator Emiliano Queiroz) e com o suporte de três irmãs beatas. As Irmãs Cajazeira: Dorotéia (Ida Gomes), Zuzinha (Kleber Macedo) e Judiceia (Dirce Migliaccio) eram frontalmente contra a imoralidade, mas mantinham casos secretos com o prefeito. Ele também contava com a parceria do agora arrependido matador Zeca Diabo (Lima Duarte).

O cemitério que nunca foi inaugurado em Sucupira

A oposição fica por conta das reportagens do jornal da cidade, “A Trombeta”, comandado por Neco Pedreira, personagem de Carlos Eduardo Dolabella.

Assim como na novela, Odorico Paraguaçu tentava também na série inaugurar o cemitério da cidade. Era sua principal plataforma de governo. Em vão.

O tema de abertura era a mesma canção que havia sido criada por Toquinho e Vinícius de Moraes para a novela em 1973, só que agora em versão instrumental. Na novela, a letra era cantada pelo MPB-4, creditado como disco como “Coral Som Livre”. O MPB-4 era de outra gravadora e, por isso, precisou ser identificado dessa maneira. “Eu os chamei porque a música era difícil de cantar. Tinha que ser algo forte. Precisava de um coral”, justificou Toquinho em depoimento ao livro “Teletema – A história da música popular através da teledramaturgia brasileira”, de Guilherme Bryan e Vicent Villari (Dash Editora, 2014).

Magalhães Júnior, especial para o “Você é Curioso?” (18/04/2020)

Na primeira sonora, além do tema de abertura, as três irmãs Cajazeira e Dirceu Borboleta conversam com Odorico Paraguaçu sobre a ideia que ele teve de levar a sede da ONU para Sucupira.

Na segunda, Odorico Paraguaçu se justifica com um secretário da ONU.

Na terceira, embora não tenha sido recebido por nenhuma autoridade na ONU, Odorico Paraguaçu discursa em sua volta à Sucupira. Detalhe: esse discurso é daquela época, mas lembra alguma coisa dos dias atuais.

 

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

O primeiro beijo em novelas

O primeiro beijo em novelas

Durante 68 anos, a história da TV brasileira registrou que o primeiro beijo em telenovelas no Brasil aconteceu no último capítulo de "Sua Vida Me Pertence", exibido em 15 de fevereiro de 1952, na TV Tupi. A primazia coube ao casal Wálter Foster e Vida Alves. A novela...

Os programas de culinária pioneiros da TV brasileira

Os programas de culinária pioneiros da TV brasileira

O primeiro programa de culinária da TV brasileira foi apresentado pelo mestre-cuca (ainda não se usava o francês chef) Francisco Ribeiro Wright, mais conhecido como Chico Wright. A estreia aconteceu em 18 de setembro de 1955, na TV Rio. O programa não tinha um nome....

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This