A mais longa guerra dos últimos tempos não teve conflitos armados. Iniciada em 1945, a Guerra Fria foi uma batalha de idéias entre os Estados Unidos e a União Soviética.

O “conflito sem confronto” disputava a hegemonia do globo por meio de zonas de influência – americana, capitalista, ou soviética, comunista. Os americanos queriam evitar o crescimento do comunismo no mundo.

A explosão da bomba atômica sobre as cidades de Hiroshima e Nagasaki, no Japão, é um dos marcos simbólicos do início da Guerra Fria. Outro marco é a construção do muro de Berlim, que acabou por dividir, em outubro de 1949, a Alemanha em dois países: um influenciado pelos países capitalistas e o outro pelo soviético.

Em 1989, com a queda do muro de Berlim, e em 1990, com o desmantelamento da União Soviética, a guerra esfriou de vez.

Por que o nome Guerra Fria?
Porque os países envolvidos disputavam a supremacia ideológica. As duas nações usaram a corrida armamentista, que culminou com o estoque de arsenal nuclear, como forma de ameaçar ao bloco antagônico. O combate armado era improvável porque tanto os Estados Unidos quanto a União Soviética possuíam arma suficiente para destruir toda a população do planeta.