Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Por que se diz que o time que levou uma goleada “tomou um chocolate”?

16 de abril de 2017
A expressão “tomar um chocolate”, usada para times que levam goleadas do adversário, teria nascido depois de um Vasco 4 x Internacional 0, em 25 de janeiro de 1981, partida válida pelo Campeonato Brasileiro. A goleada foi encarada pelos vascaínos como uma vingança da derrota da final do Brasileirão de 1979. Essa história foi contada pelo jornalista Paulo Vinícius Coelho no programa “Loucos por Futebol” em 2011.

 

Na cabine da Rádio Nacional, o comentarista Washington Rodrigues, o “Apolinho”, lembrou do clássico “El Bodeguero”, do músico cubano Ricard Egües (1924-2006). Egües era flautista da Orquestra Aragón e a música entrou para o repertório de Nat King Cole. Para Apolinho, o refrão de “El Bodeguero” era bem apropriado para a ocasião: “Toma chocolate/Paga lo que debes”. Assim “tomar um chocolate” foi incorporado ao jargão futebolístico.

Washington Rodrigues, o “Apolinho”

 

“Eu estava comentando o jogo e o Vasco começou a tocar a bola no meio-campo”, contou Apolinho ao Blog do Curioso. “Então eu comecei a cantar essa música no ar. Na época, muita gente levava radinho de pilha para o estádio, então a torcida começou a cantar também. Pegou e eu comecei a usar nas minhas transmissões, assim como os meus colegas”.

 

Apolinho tinha na Rádio Nacional um programa diário chamado “A Palinha do Apolinho”, em que tocava músicas para zoar torcedores.

 

 

O pesquisador Max Gehringer não conhecia a versão de Apolinho. Para ele, o mais provável é que a expressão “tomar (ou levar) um chocolate”, como muitas outras na gíria do futebol, tenha sido criada por jogadores e depois é que chegou à imprensa. Gehringer encontrou a primeira referência à expressão na imprensa escrita no Jornal dos Sports em abril de 1982, mas no sentido inverso: Carlos Alberto Torres disse que o jogo do Flamengo contra o America estava “tão fácil que era só relaxar e tomar um chocolate”.

 

As duas primeiras menções no sentido de “vencer” (mas ainda não de “golear”) surgem no mesmo Jornal dos Sports em outubro de 1984: “Ficou tonto com o chocolate que o meio-campo vascaíno deu no jogo” (Vasco 2 x Campo Grande 0) e “Flamengo levou um tremendo chocolate na decisão do turno” (Vasco x Flamengo, mas na decisão do campeonato carioca de basquete, não de futebol). “O Jornal dos Sports era quase sempre o primeiro a levar para suas páginas expressões que seus repórteres ouviam dos jogadores durante os treinos”, afirma Gehringer.

 

Em São Paulo, os torcedores costumam atribuir a paternidade ao narrador Osmar Santos, mas não há registros que mostrem que ele inventou a expressão. A biografia “Osmar Santos – O Milagre da Vida”, de Paulo Mattiussi, traz uma lista com os bordões criados por Osmar e “tomar um chocolate” não está entre elas.

 

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

A volta dos Botões Brianezi

A volta dos Botões Brianezi

Desde o final de 2020,  o empresário Alexandre Badolato passou a ser chamado de "Alexandre da Brianezi". Depois de 20 anos fora do mercado, a Botões Brianezi voltou a existir por causa de um acordo feito entre ele e Lúcio Brianezi, herdeiro da marca. Paulo Brianezi,...

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

A Rádio ONCB e as Paraolimpíadas de Tóquio 2020

Os Jogos Paraolímpicos de Tóquio começam na próxima terça-feira, dia 24. Marcus Aurélio Carvalho, diretor e apresentador da Rádio ONCB, emissora web da Organização Nacional de Cegos do Brasil, explica como será a cobertura diferenciada do evento. Marcus fala também de...

O autor de 150 hinos de times de futebol

O autor de 150 hinos de times de futebol

O compositor paulista Carlos Santorelli tem mais de 2 mil músicas gravadas. Em 1997, ele lançou um CD com hinos para os principais times do Rio Grande do Norte compostos por ele. Depois, em 2011, veio outro, desta vez com times paraibanos. Mas foi a partir de 2017 que...

13 Comentários

13 Comentários

  1. Anônimo

    Zoar, sacanear ou ironizar derrota do adversário faz parte da cultura do futebol.
    Com estamos na Páscoa o VASCO ao vencer hoje o Botafogo por 2 x 0 aplicou o ” chocolate no botafogo, Isso é saudável; e não, apelar para a violência.
    Perder e ganhar é do jogo; um dia é da caça o outro do caçador ! e Vida que segue …

    Responder
  2. Beraldo Francês

    Onde anda o Apolinho ?

    Responder
  3. Wagner

    Grande parte dos bordões e nomes curiosos no futebol brasileiro envolvem o Vasco da Gama, tais como as expressões “gandula”, “gol olímpico” e outros.

    Responder
  4. Anônimo

    E quem criou a expressão sete chocolates ??? 7 X 1 chocolates ???

    Responder
  5. Daniel Gois

    Recentemente a expressão voltou a tona forte devido a um domingo de Pascoa em que o Vasco venceu o Flamengo por 5 x 1 e o Eurico Miranda havia distribuído chocolates pra torcida do Vasco que comemorou cantando “uh, é chocolate”

    Responder
  6. Me Wise Magik

    Sempre o Vasco! Que outro time no Brasil tem a história do Vasco? Me digam um! Infelizmente, a sua história tem sido manchada. Por pessoas que somente terem seu bem próprio é não da instituição. Vasco para os verdadeiros Vascaínos!

    Responder
  7. Reynaldo Mendes

    Joguei no juvenil do Fluminense na década de 60, o técnico era o ex salgueiro do Fluminense Pinheiro, e no treino ele usava esse termo para passarmos rápido a bola toma chocolate paga o que deve.
    Reinaldinho

    Responder
  8. Roberto Cardoso de Lima Junior

    Marcelo, salvo engano, a expressão “tomar um chocolate” já era utilizada pelo Osmar Santos no final da década de 70, em transmissões da Radio Globo. Vale a pena pesquisar. Existem registros a respeito.

    Responder
  9. Marco Antonio

    muito antes de 1981 o termo já era usado e baseado na mesma música… portanto, não foi Apolinho quem criou… isso remonta à década de 50… Apolinho só colocou no rádio a vóz do boleiro.

    Responder
  10. super Verde

    Essa expressão foi inventada muito antes pelo osmar Santos ainda na Jovem Pan, decada de 70

    Responder
  11. Zé Mané

    Essa expressão seria totalmente desconhecida se não fosse o Galvão Bueno e é uma expressão não utilizada no Brasil, salvo se no Rio de Janeiro usam. Como os Globais adoram usar termos carioquissimos, absolutamente locais nas suas transmissões (meu carro tem porta-malas e não “mala” assim como o banco ao lado do motorista é o banco do passageiro e não “do carona”..

    Responder
  12. Mauro

    Discordo. Essa expressão foi criada nos anos 80 pelo locutor Osmar Santos, entre vários outros bordões, nas suas brilhantes locuções na Rádio Jovem Pan, em SP. Somente depois dele ir para a Rádio Globo e se tornar “global” fii que os seus bordões viraram nacionais e passaram a ser aditados por outros locutores, como Galvão Bueno.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This