Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Escândalos de arbitragem

24 de abril de 2019

 

  • Uma máfia de apostadores italianos montou em 1980 um esquema para enriquecer às custas de apostas na casa Totonero. O grupo subornou jogadores, juízes e dirigentes para forçar os resultados das partidas que integravam o cartão da loteria esportiva clandestina. O sistema veio à público graças às denúncias de um bookmaker, que se sentiu lesado por alguns apostadores. Atletas do Milan e do Lazio estavam envolvidos. O escândalo levou ambos os times ao rebaixamento.
  • A revista Placar denunciou um esquema semelhante no Brasil em 1982. Ele ficou conhecido como Máfia da Loteria. O procedimento era o mesmo: juízes e atletas corruptos forjavam resultados para serem beneficiados na loteria esportiva. Um total de 125 pessoas, incluindo dirigentes e jornalistas, faziam parte do grupo. No final, ninguém foi condenado.
  • O Olympique de Marselha perdeu o título francês depois do escândalo envolvendo seu presidente, Bernard Tapie. Apurou-se que ele havia comprado o resultado de 1 a 0 na partida contra o Milan, pela “Copa dos Campeões da Europa”. Tapie acabou condenado a 18 anos de prisão. Cumpriu 6 meses.
  • O juiz Wilson Roberto Catani favoreceu o Botafogo de Ribeirão Preto na partida que colocou o time na 1ª divisão do “Campeonato Paulista” em 1995. O caso veio à tona um mês após o término do torneio. Nada foi feito à respeito, e o time defendeu sua camisa na chave principal do Paulista em 1996.
  • Em 1997, o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Ivens Mendes, foi flagrado pedindo 25 mil reais a dirigentes do Atlético-PR em troca de um “empurrãozinho” da arbitragem no jogo do time contra o Vasco. A partida valia as oitavas-de-final da “Copa do Brasil”. De fato, o Atlético ganhou por 3 a 1 e teve a seu favor a expulsão do vascaíno Edmundo. Depois da descoberta do suborno, Mendes foi destituído do cargo.
  • Novas acusações de fraude recaíram sobre o sucessor de Mendes, Armando Marques. Em 2002, ele coagiu o árbitro Alfredo Loebeling a alterar a súmula de uma partida do Campeonato Brasileiro entre o Figueirense-SC e o Caixias-RS. A torcida catarinense invadiu o campo e obrigou o juiz a encerrar o jogo antes do tempo regulamentar. No relatório, porém, Loebeling disse que já havia finalizado quando o incidente ocorreu. Isto deu vantagem ao Figueirense, que subiu da Série B para a Séria A com a vitória.
  • O “Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado do Ministério Público de São Paulo” (Gaeco) e a Polícia Federal desmantelaram um esquema montado por empresários paulistas em 2005. Eles mantinham um acordo com o juiz Edilson Pereira de Carvalho para manipular o resultado de partidas do Campeonato Brasileiro e do Paulista. Sabendo de antemão o placar final, apostavam altas quantias no time vencedor em sites de jogatina na internet.
  • No mesmo ano, o árbitro alemão Robert Hoyzer foi preso sob a acusação de manipular os resultados de 5 jogos da 2ª e 3ª divisões da “Copa da Alemanha” de 2004. O juiz também foi aliciado por uma gangue de apostadores ligadas a loterias eletrônicas européias. Hoyzer assumiu o crime e foi afastado definitivamente do futebol.

 

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This