Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

O dia em que Mestre Zulu leu sua primeira nota errada em 24 anos de Carnaval

2 de março de 2017

Corria a leitura das notas do último jurado do quesito comissão de frente, o terceiro na apuração do desfile das escolas de samba do Grupo de Acesso, a segunda divisão do carnaval de São Paulo. Aos 68 anos, Antônio Pereira da Silva mantinha inalterada a força da voz que já havia anunciado 504 notas na apuração que consagrou a Acadêmicos do Tatuapé como campeã do Grupo Especial e outras 95 do Grupo de Acesso. Foi então que, na 96ª, o Mestre Zulu, como é conhecido, anunciou: “Pérola Negra: nota nove ponto nove”. Os integrantes lamentaram e a apuração seguiu. Ao final da leitura da nota seguinte, veio o anúncio de que, na verdade, essa nota da Pérola Negra havia sido um 9,7, e não um 9,9. Mestre Zulu havia lido errado.
Pode parecer um erro banal, mas foi inédito. Jamais, em 24 anos como locutor oficial da apuração do carnaval de São Paulo, Zulu havia errado uma nota: “Já troquei nome de escola várias vezes, já esqueci de falar o nome do jurado, mas nota eu nunca tinha errado. Sempre aviso para ficarem de olho porque eu posso errar. Tinha feito toda a apuração do Grupo Especial e aí veio a do Acesso. Estava esgotado. Todo mundo erra”, disse ele ao Manhã Bandeirantes, da Rádio Bandeirantes, com a tranquilidade de quem já passou por momentos turbulentos. Em 2006, na última e decisiva nota, ele pulou a Acadêmicos do Tatuapé e soltou o  seu famoso “Nota 10” que deu o bicampeonato para a Império de Casa Verde. Depois, voltou e anunciou o 9,75 da Tatuapé, deixando no ar a dúvida se havia invertido apenas a ordem da leitura ou as notas – fosse as notas, o título iria para o Vai-Vai.

Zulu assumiu o posto de locutor da apuração em 1993

Sua trajetória reserva também confusões mais sérias. Já no seu primeiro ano, em 1993, um vazamento de notas antes da apuração fez com que o título fosse dividido entre o Vai-Vai e o Camisa Verde e Branco, sua escola do coração. De lá para cá, incontáveis confusões entre dirigentes interromperam sua leitura. Foi para cima dele que, em 2012, Tiago Ciro Tadeu Faria pulou para rasgar as notas que deram início ao maior tumulto da história das apurações. Acostumado com esse tipo de problema, Zulu festeja uma terça-feira gorda tranquila em 2017: “O título está bem entregue para a Tatuapé. Pegaram o asfalto quente e o beco estreito após a passagem da Vila Maria e mereceram. Até a última nota ninguém sabia quem tinha ganho. Nem eu!”, conta.
Apesar de uma vida toda ligada ao Carnaval, Zulu nunca viveu somente da festa. Nascido e criado no bairro da Barra Funda, dividia as idas à quadra do Camisa Verde com as aulas na escola e, posteriormente, com o emprego de técnico em radiologia e radiodiagnóstico. A oportunidade de ler as notas da apuração surgiu em 1993 e, desde então, a voz de Zulu só não foi ouvida na apuração de 1997. Sua voz ganhou fama nacional e ele se tornou um dos maiores personagens do samba paulistano, se tornando assim o Mestre Zulu, título que ele próprio rejeita: “Mestre pra mim, só Jesus Cristo. O resto é resto”, define. O jeito um pouco arredio é outra marca registrada. Em 2014, chegou a expulsar o Globocop, helicóptero da TV Globo, da apuração: “Negócio é o seguinte: vai dar uma paradinha agora enquanto esse helicóptero não sumir daqui. Porque é impossível trabalhar desse jeito!”, disse ele com todos os microfones abertos. A preparação para garantir a voz impecável durante a leitura das notas envolve muito gengibre, nada de gelado nos 15 dias anteriores e boas noites de sono: “Se você está feliz, o trabalho sai”, ensina. Na hora de ler o que está escrito pelos jurados, ele faz um suspense quase insuportável para aqueles que esperaram um ano inteiro pela nota 10: “São coisas que você aprende ao longo dos anos”, diz ele.
De vez em quando, porém, o envelope chega sem a nota. No ano passado, um rigoroso jurado de evolução distribuiu notas baixas para quase todas as escolas, mas não escreveu a do Império de Casa Verde (apesar de apontar erros da agremiação em sua justificativa). O regulamento previa que, nesse caso, seria repetida a maior nota da escola no mesmo quesito. Com o 10 do terceiro jurado, a nota do segundo também foi máxima, iniciando assim uma grande confusão. O mesmo aconteceu com a Dragões da Real no quesito harmonia, mas a escola levou azar: não tirou nenhum 10 e levou um 9,9 na “nota fantasma”, apesar do jurado ter escrito na justificativa que a escola cumpriu com todos os requisitos: “O presidente veio me questionar. Eu só leio! Chega o papel, não tem nada, eu deixo pra quem tem que de fato resolver”, se esquiva. Para esse ano, o regulamento foi alterado. Agora, em caso de esquecimento, somam-se as outras três notas e faz-se uma média aritmética. E não é que aconteceu de novo? Foi com a Unidos do Peruche no quesito harmonia. Como as outras três notas foram 10, ficou fácil: “Aí foi tudo resolvido”, alivia-se.

Zulu (à dir.) comandando ala em desfile de 2010 do Camisa Verde e Branco

Zulu garante que o Camisa Verde e Branco é sua única paixão no carnaval – ele chegou a se candidatar à presidência da escola em 2010, mas foi derrotado por Ribamar de Barros. Apesar de ser corintiano doente, não tem nenhuma relação de amor com a Gaviões da Fiel: “Sou do tempo em que o carnaval era bom. Não estou dizendo que hoje é ruim, mas tinha coisa que era melhor”, diz, enigmático. A comemoração de 25 anos no posto de locutor oficial da apuração, no ano que vem, será com o seu Camisa no Grupo de Acesso. Apesar do grande desfile reeditando o samba de 2003, que narrou a história de João Cândido (o líder da revolta da chibata), o Trevo da Barra Funda terminou apenas em quarto lugar e disputará em 2018 a segunda divisão pelo sexto ano consecutivo.
(Com reportagem de Leonardo Dahi)

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Qual é a origem do Dia Internacional da Democracia

Qual é a origem do Dia Internacional da Democracia

Embora a atual realidade brasileira nos leve a duvidar dela, a prática demonstra que devemos ter mais fé. Comemora-se em 15 de setembro o Dia Internacional da Democracia – e aí tem História. A comemoração mundial foi criada pela ONU em 2007. A ideia era lembrar os dez...

Por que o coelho é um dos símbolos da Páscoa?

Por que o coelho é um dos símbolos da Páscoa?

O ovo é utilizado como símbolo do povo judaico durante a festa que celebra a libertação da escravidão e a fuga do Egito, com a chegada à terra prometida sob a liderança de Moisés. O ovo é comparado ao povo de Israel: ele é um alimento que não perde a forma depois de...

11 Comentários

11 Comentários

  1. Anônimo

    Enquanto o povo rebola atrás do carnaval, a CCJ julga a aposentadoria dos pobres. Eitas povinho!!!

    Responder
  2. Renan

    muito mimi, sintetiza a notícia pois não é conto…

    Responder
  3. Anônimo

    Grande Zulu ,pessoa que merece o respeito do carnaval de São Paulo

    Responder
  4. Anônimo

    A verdade é que o carnaval de são paulo nao existe é a cópia do rio

    Responder
  5. Edson

    Apuração do desfile das Escolas de Samba é simplesmente uma BREGUICE TOTAL. ET: Nunca vi uma nota menor que 9,0. Ai me pergunto, pq não as notas não são apenas números inteiros de 0 a 10 ??

    Responder
  6. Kayapó

    Como se vê, o desfile do Anhembi gera leitura quando algo dá errado. Como no ano em que um sujeito tomou e rasgou as notas dos jurados levando o desfile paulistano a repercutir nas páginas policiais.
    No mais, as notícias oriundas do sambódromo são o marasmo de sempre. Para os cariocas, o desfile paulista é motivo de piada uma vez que não passa de uma cópia da Marquês de Sapucaí. Já para os brasileiros em geral que gostam de escolas de samba mas não conhecem sequer uma única escola de São Paulo, a nossa pobre cópia-xerox não desperta nada além da indiferença e o desprezo. Nada mudará enquanto os sambistas paulistas insistirem em copiar o Rio.

    Responder
  7. waldir bernardo

    Trabalhei dois anos com o Zulu na Liga-SP como coordenador, é uma das pessoas mais serias que conheci no Carnaval, austero, serio, imparcial, mas amigo daqueles que como ele sabe que carnaval é coisa seria, folia é para quem desfila.

    Responder
  8. Anônimo

    noticia inutil

    Responder
  9. Thiago Gomes

    A primeira foto do Mestre Zulu, com o fundo azul, não é de 1993, haja visto que a logo marca do banco patrocinador é a mais recente.

    Responder
  10. Anônimo

    Pessoas esmagadas,feridas em estado grave no hospital e os caras preocupados com erro de leitura de nota. Erro foi fingir que não estava acontecendo nada, só para atender os interesses de patrocinadores e da TV.

    Responder
  11. Luis Ferreira

    O anônimo que falou das pessoas feridas está se referindo ao carnaval e apuração errados.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This