Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

A origem da igreja católica ortodoxa

24 de abril de 2019

No início do cristianismo havia apenas uma igreja, com cinco Patriarcados, ou seja, cinco “sedes”: Roma, Constantinopla, Alexandria, Antioquia e Jerusalém. Sendo que o patriarcado de Roma era considerado “Primus inter pares” (o primeiro entre iguais). No entanto, as decisões que diziam respeito à doutrina eram tomadas em grupo, pelo Concílio Ecumênico. Em 1054 o Concílio teve sua autoridade negada pela igreja romana. À partir daí surgiram duas igrejas, a que seguia a supremacia de Roma, e consequentemente do Papa, que ficou conhecida como Apostólica Romana, e a que seguia a antiga organização, que ficou conhecida como Apostólica Ortodoxa.

A palavra “ortodoxa” vem da união das palavras gregas “orthos”, que significa direito, e “doxa”, que significa louvor. Em uma livre interpretação significa: louvor fiel, correto ou exato.

Hoje em dia existem oito patriarcados (Constantinopla, Alexandria, Antioquia, Jerusalém, Rússia, Sérvia, Romênia e Bulgária) e sete igrejas autocéfalas (Chipre, Grécia, Geórgia, Polônia, Albânia, Checoslováquia e Monte Sinai), que são igrejas ortodoxas independentes de qualquer patriarcado.

A páscoa ortodoxa é comemorada em um dia diferente da páscoa romana, isso porque a igreja romana segue o calendário Gregoriano, e a ortodoxa o calendário Juliano.

No catolicismo ortodoxo só existe um líder supremo, o próprio Jesus Cristo. Dessa maneira, nenhum homem é considerado infalível e inquestionável, como é o Papa romano para a organização romana.

Os ortodoxos consideram-se os descendentes diretos das primeiras comunidades cristãs, fundadas pelos apóstolos de Jesus Cristo.
Em 2000, havia cerca de 210 milhões de seguidores da Igreja Ortodoxa em todo o mundo.

O grupo mais numeroso da comunidade é a Igreja Ortodoxa russa. No entanto, o grupo mais tradicional é o grego.

Na Grécia o catolicismo ortodoxo é considerado a religião oficial.

No rito oriental, o casamento dos padres é aceito apenas se tiver ocorrido antes da ordenação. Porém, apenas os religiosos celibatários conseguem ser indicados para bispos.

Já foi permitida a ordenação de mulheres para o trabalho religioso. Contudo, a prática caiu em desuso.

A Igreja prega que o casamento deve ser indissolúvel, mas permite que seus membros troquem alianças com a benção de Deus por até três vezes.

 

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This