Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Quanto dinheiro brasileiro há em circulação

10 de dezembro de 2013

Quer saber quanto dinheiro brasileiro está em circulação neste exato momento? Na manhã do dia 10 de dezembro de 2013, quando esse  texto estava sendo escrito, a quantia era de 199 bilhões, 604 milhões, 913 mil, 653 reais e 79 centavos. O Banco Central traz essa informação sempre atualizada em seu site. É possível também saber o total de meio circulante de datas passadas, desde  2 de outubro de 1994, dia em que o real foi instituído como moeda oficial.  Com 199 bilhões de reais, daria para pagar 249 vezes a multa contratual do argentino Lionel Messi (em torno de 800 milhões de reais) e tirá-lo do Barcelona. Seria possível também realizar oito Copas do Mundo no Brasil (isso se o orçamento parar mesmo nos 25 bilhões de reais…).

O Banco Central nunca para de fabricar dinheiro. De acordo com a assessoria de imprensa do BC, o ritmo da produção é determinado por vários fatores, como a demanda por meio circulante estimada pelo órgão, a vida útil das cédulas e a manutenção de estoque adequados. Cédulas de menor valor têm vida útil mais curta porque circulam mais. Enquanto uma cédula de 2 reais demora 15 meses para atingir o nível 4 de desgaste, último antes da substituição das notas, a cédula de 50 reais leva 36,9 meses para chegar ao mesmo estágio.

No ano passado, o Banco Central do Brasil imprimiu a incrível quantidade de 2,8 bilhões de cédulas de real. Se as notas fossem espalhadas lado a lado,  seria possível cobrir 4 349 vezes o gramado do Maracanã ou 660 vezes a Praça da Sé, em São Paulo (os cálculos foram feitos com base no tamanho médio das cédulas pertencentes à chamada Segunda Família, lançada em 2012). O número de moedas ficou na casa de 1,2 bilhões. Considerando a espessura média das moedas (2,17 mm), verifica-se que seria possível construir 2.492 pilhas do tamanho do Burj Khalifa (828 metros), maior edifício do mundo, localizado na cidade de Dubai.

Leia também: Quanto dinheiro existe no mundo?

Outro número que chama a atenção é o do valor gasto pelo BC na produção das notas e moedas. Em 2012, a conta ficou em 829 milhões, 471 mil e 460 reais, dinheiro suficiente para comprar 418.924 ingressos para o setor mais caro do Maracanã na final da Copa do Mundo de 2014 Para produzir uma cédula de 2 reais, o BC gasta aproximadamente 18 centavos. No caso da nota de 100 reais, o custo de fabricação é de 25 centavos. A título de comparação, os Estados Unidos gastam 12 centavos para fazer uma nota de 1 dólar e os mesmos 25 centavos para fabricar uma cédula de 100 dólares.

Abaixo, a relação de quanto custa para produzir cada nota de real:

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

10 curiosidades sobre o “Garoto Bombril”

10 curiosidades sobre o “Garoto Bombril”

Carlos Alberto Bonetti Moreno é o ator que interpreta o "Garoto Bombril" desde o início da campanha, em 1978. Moreno foi escolhido entre 40 candidatos. Ele foi descoberto por Oscar Caporalli, um dos sócios da produtora de comerciais ABA, que assistiu à peça “Folias...

10 curiosidades sobre o Plano Real

10 curiosidades sobre o Plano Real

1. Todas as cédulas do real apresentam a efígie de uma escultura que representa o conceito de República, exceto a nota de 10 reais lançada em 2000, em comemoração aos 500 anos do Descobrimento do Brasil, que tem a...

24 Comentários

24 Comentários

  1. Grid_RX

    BIT COIN >>> Dinheiro

    Responder
  2. Grid_RX

    BIT COIN >>> Dinheiro

    Responder
  3. Bira Feno

    Se para fabricar uma nota de cem reais o custo é vinte e cinco centavos e a nota fabricada passa a valer cem reais não há custo e sim lucro pois cem menos vinte e cinto resta noventa e nove reais e setenta e cinco centavos. Eu não consigo entender como um crédito gerado do nada passa a ter valor de cem reais e consideram um custo de vinte cinco centavos.
    Vamos supor que eu pudesse fabricar dinheiro legalmente, então eu pego dez folhas de papel oficio com um custo de 2,50 e fabrico 3 notas de 100 reais em cada folha. Dessa forma eu consigo 30 notas de 100 reais, ou seja, 3000,00. Obviamente eu passei a ter um montante de 2.997,50 reais na mão, descontando os 2,50 gasto na compra do papel. Eu posso considerar esse custo? Se eu não tinha nada e do nada gerei 3000,00 reais?
    É isso que nos faz não entender como funciona os créditos gerados na Casa da Moeda. Eles produzem milhões DO NADA, que por sua vez segue para o Banco Central que recebe também em troca DE NADA. Dai esse dinheiro é distribuído para os Bancos privados,(também não sei como os Bancos pagam esse tesouro que recebem e que chegam DO NADA aos seus cofres)Só sei que ao ser distribuído para o povo, através de suas contas bancárias, mas diferente da Casa da Moeda e do Banco Central cada pessoa que receber essa grana tem que dar algo em troca (suor do seu trabalho, ter feito depósitos anteriormente, ter aposentadoria, etc)
    É difícil entender como um crédito é gerado DO NADA, tem um custo superado pelo próprio produto fabricado, segue par um Banco Central que passa a ter um valor monetário alto DO NADA, sem dar nada em troca e distribui para o Bancos privados também DO NADA sem receber nada em troca.

    Responder
  4. Bira Feno

    Se para fabricar uma nota de cem reais o custo é vinte e cinco centavos e a nota fabricada passa a valer cem reais não há custo e sim lucro pois cem menos vinte e cinto resta noventa e nove reais e setenta e cinco centavos. Eu não consigo entender como um crédito gerado do nada passa a ter valor de cem reais e consideram um custo de vinte cinco centavos.
    Vamos supor que eu pudesse fabricar dinheiro legalmente, então eu pego dez folhas de papel oficio com um custo de 2,50 e fabrico 3 notas de 100 reais em cada folha. Dessa forma eu consigo 30 notas de 100 reais, ou seja, 3000,00. Obviamente eu passei a ter um montante de 2.997,50 reais na mão, descontando os 2,50 gasto na compra do papel. Eu posso considerar esse custo? Se eu não tinha nada e do nada gerei 3000,00 reais?
    É isso que nos faz não entender como funciona os créditos gerados na Casa da Moeda. Eles produzem milhões DO NADA, que por sua vez segue para o Banco Central que recebe também em troca DE NADA. Dai esse dinheiro é distribuído para os Bancos privados,(também não sei como os Bancos pagam esse tesouro que recebem e que chegam DO NADA aos seus cofres)Só sei que ao ser distribuído para o povo, através de suas contas bancárias, mas diferente da Casa da Moeda e do Banco Central cada pessoa que receber essa grana tem que dar algo em troca (suor do seu trabalho, ter feito depósitos anteriormente, ter aposentadoria, etc)
    É difícil entender como um crédito é gerado DO NADA, tem um custo superado pelo próprio produto fabricado, segue par um Banco Central que passa a ter um valor monetário alto DO NADA, sem dar nada em troca e distribui para o Bancos privados também DO NADA sem receber nada em troca.

    Responder
  5. Rogério M Schirach

    Para cada real fabricado há o seu equivalente em ouro nos cofres do BC (pelo menos é o que sempre soube). As notas novas são p/substituir as velhas, pois não podem fabricar dinheiro sem o seu devido lastro em ouro
    (em tese – pois quem fiscaliza isso neste nosso Brasil ocupado por ratazanas corruptas)?

    Responder
  6. Rogério M Schirach

    Para cada real fabricado há o seu equivalente em ouro nos cofres do BC (pelo menos é o que sempre soube). As notas novas são p/substituir as velhas, pois não podem fabricar dinheiro sem o seu devido lastro em ouro
    (em tese – pois quem fiscaliza isso neste nosso Brasil ocupado por ratazanas corruptas)?

    Responder
  7. Francisco 1983

    A quantidade em cedulas fabricadas depende do PIB nacial ou seja, tudo o q o brasil produz!

    Responder
  8. Francisco 1983

    A quantidade em cedulas fabricadas depende do PIB nacial ou seja, tudo o q o brasil produz!

    Responder
  9. Daniel

    Bira feno, o banco central cria esse dinheiro do nada sim, porém, por lei, ele não pode gastar esse dinheiro. O que ele faz é EMPRESTAR aos bancos. Os bancos portanto assumem uma dívida de valor igual ao empréstimo recebido.

    Responder
  10. Daniel

    Bira feno, o banco central cria esse dinheiro do nada sim, porém, por lei, ele não pode gastar esse dinheiro. O que ele faz é EMPRESTAR aos bancos. Os bancos portanto assumem uma dívida de valor igual ao empréstimo recebido.

    Responder
  11. emmanoel fonseca

    Existe um adágio popular que diz: “ouviu galo cantar e não sabe aonde foi”! Lendo o que Bira Feno escreveu, faço o seguinte jargão: Bira ouviu o galo cantar, sabe aonde foi, mas não sabe como. Do nada Bira? E o custo com os salários dos funcionários? E o custo com o transporte do material ao Banco? E a manutenção de máquinas usadas na confecção da moeda? E a manutenção dos veículos que transportam o material cedular e moedas? Tudo isto é do nada? Um vinicultor planta e colhe uvas do nada? Não dá para se entender patavina do que você falou, amigo, nm o por que! um abraço!

    Responder
  12. emmanoel fonseca

    Existe um adágio popular que diz: “ouviu galo cantar e não sabe aonde foi”! Lendo o que Bira Feno escreveu, faço o seguinte jargão: Bira ouviu o galo cantar, sabe aonde foi, mas não sabe como. Do nada Bira? E o custo com os salários dos funcionários? E o custo com o transporte do material ao Banco? E a manutenção de máquinas usadas na confecção da moeda? E a manutenção dos veículos que transportam o material cedular e moedas? Tudo isto é do nada? Um vinicultor planta e colhe uvas do nada? Não dá para se entender patavina do que você falou, amigo, nm o por que! um abraço!

    Responder
  13. atenivaldo paiva

    Tudo isso.chama-se poder de aceitaçãoobanco.central fábrica o produto dele que é o dinheiro o povo aceita pq quer vai viverá na roca e plantar batata aí vc não precisa do produto do banco central

    Responder
  14. atenivaldo paiva

    Tudo isso.chama-se poder de aceitaçãoobanco.central fábrica o produto dele que é o dinheiro o povo aceita pq quer vai viverá na roca e plantar batata aí vc não precisa do produto do banco central

    Responder
  15. francisco pires de camargo

    Gostaria de saber com um meio circulante de 200 bilioes o caso da petrobras desvalorizou o nosso dinheiro em 100 por cento ou seja perdemos 100 bilioes sera que eles roubaram mais que isso as vezes eu penso o prejuizo e bem maior que o roubo sera que o roubo nao e em outro lugar sempre soube que inflacao e qundo o governo emite dinheiro sem ter lastro nao tem nada a ver com o chuchu ou cebola ou cesta basica sou do tempo de quem cobrava juros mais de 3 por cento ia para cadeia agora inventarao uma tal de sessancao termica gostaria de saber qual e esse aparelho

    Responder
  16. Celso Pinto Lara

    O problema que todo mundo tem a ganância ter ter,possuir, satisfazer o modismo,os status,arrogâncias e gastam mais do que pode: governos municipais,estaduais, famílias etc e deixam para ver o que vai acontecer e ai vem o caos de quem ganha dez quer gastar acima disso e venha procurar culpados em vêz de olhar os próprios erros e assim começa ficarem desesperados prejudicando até quem teve juizo

    Responder
  17. André

    Se existem 200 bilhões de notas impressas e somos 200 milhões de habitantes, existem 1.000 reais impresso p cada habitante. É isso mesmo? Parece pouco.

    Responder
  18. José Ramos

    Queria saber desde quando comerçou o plano real qual o valor de dinheiro foi fabricado ate hoje?

    Responder
  19. Luciano Leite Galvão

    200 bilhões pagam várias dívidas dentro de um mesmo dia e não existe só a forma sob espécie para pagar contas, outro ponto é o tempo em que as pessoas ficam com a espécie na mão, a quantidade de espécie que cada pessoa fica, então são vários fatores que vão determinando o valor a ser emitido. De repente o Bacen tem as regras e não revela para o povo não ficar forçando a barra para o banco emitir moeda.
    Deve ser interessante a regra para emissão de notas e ter as condições de analisar ela diante do crédito e do PIB para triangular as coisas nas ideias e saber como elas funcionam. Isso eu não sei.

    Responder
  20. Carlos

    EMMANOEL FONSECA Você não entendeu o que o Bira Feno quiz dizer ou fingiu não entender. O custo de 0,248 por moeda de 100 Reais já leva em consideração todo o custo de produção das notas.Transporte,material, mão de obra etc.Pelo menos quando se fala em custo é assim que se calcula.O que não entendemos é um produto que custou 0,248 Reais passar a valer 100 Reais como se fosse uma mágica.Antigamente tínhamos o padrão ouro mas agora não temos mais.É só um papel com um valor escrito.No Brasil com essa classe de políticos que conhecemos não dá para confiar que as coisas sejam tão planas com querem nos fazer aceitar.

    Responder
  21. Shark1990

    Pois é “GRID_RX”
    Devia ter escutado alguns avisos como o seu em 2013…
    Bitcoin > All!
    Na epoca deste comentario do GRID_RX o Bitcoin nao era muita coisa ainda…
    Mas hoje, somente o valor do Bitcoin ultrapassa todo o Real circulante

    Responder
  22. José Maria Greco

    No incio 700 anos AC deu inicios as moedas feita pelo metal ouro e seu valor era pelo peso dela. Depos começaram colocar valores fora do peso da moeda. faliu muita gente. As moedas de ouro predominou por centenas de ano, depois os bancos começaram a fabricar moedas, os governo viram que eram muitíssimo lucrativo, passaram o monopólio para eles, kkk

    Responder
  23. Pablo vasconcelos

    Poderia me tirar uma dúvida a partir de que mês as cédulas e moedas são lançadas no Brasil e estou falando de janeiro de 2018 e queria saber a data que elas são levadas ao banco

    Responder
  24. Lucas

    Idéia de burros pois fica mais barato produzir notas de 1 real ao invés de moedas de 1 real q é mais cara q uma nota de 100! Trabalho com comércio e a falta de troco já é um problema crônico…ademais cada cédula com tamanho diferentes ficou estranho d+

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This