A Páscoa na Região Sul do Brasil

30 de março de 2020

A Páscoa no Paraná

Pães, ovos, linguiça, manteiga e carne defumada fazem parte do pequeno banquete servido no café da manhã do domingo de Páscoa da colônia ucraniana, principalmente no Paraná, onde são cerca de 500 mil imigrantes e descendentes. A paska é o pão feito em casa e que deve ser bento na primeira missa do domingo antes de ser consumido pela família. As pêssankas são ovos decorados a mão. Os traços nos ovos significam bons desejos para o presenteado. O desenho do galo significa riqueza e boa saúde; o peixe, fé e cristianismo; a flor, o amor; o trigo e galhos, boa colheita; o sol e estrelas, vida longa; a cruz, vida eterna; e árvores, juventude eterna. 

 

Também no Paraná, no Sábado de Aleluia, a colônia polonesa faz a benção dos alimentos que serão servidos no café-da-manhã do domingo. A festa chama-se swieconka e é tradição dos imigrantes poloneses, que chegaram à região por volta de 1871. Atualmente, o Paraná é o Estado com maior número de imigrantes poloneses – são 260 mil só em Curitiba. Os alimentos são postos em cestas e colocados em círculos enquanto o padre dá a benção. Existe também a tradição de presentear com bolos e biscoitos em formato de carneiros. 

 

A Páscoa no Rio Grande do Sul

A cidade de Ivoti, no Rio Grande do Sul, com apenas 22 mil habitantes, tem forte influência alemã – principalmente em época de Páscoa. No passado, cães e gatos eram pintados de azul ou cor-de-rosa para anunciar às crianças que a época mais doce do ano estava se aproximando. Também por causa da forte influência alemã, a cidade fica cheia de ninhos com ovos de chocolate – a deusa germânica da fertilidade, Ostara, tinha como símbolo a lebre.

Gramado (RS), conhecida pela excelência na fabricação de chocolates, realiza anualmente a “Chocofest”. A cidade, a 125 km de Porto Alegre, fica toda decorada e com uma programação recheada de desfiles, apresentações de teatro, exposições de arte e venda de chocolate. Em 2014, o gramadense Ênio Fritsch entrou para o Guiness Book (o livro dos recordes). Ele foi responsável por esculpir o maior coelho de chocolate do mundo. O coelhão tinha 2,10 m de largura; 1,70 m de comprimento; 4,10 m de altura e 3.850 quilos de chocolate. A gigantesca peça foi doada para um programa social voltado para pessoas carentes. A vizinha Canela também se enfeita para receber turistas, espalhando lindos bonecos em forma de coelhos da entrada da cidade até a Catedral de Pedra.

No pequeno município de Pejuçara no interior do Rio Grande do Sul, os 4 mil habitantes têm orgulho de confeccionar tapetes de fuxicos para a celebração, que serão estendidos dentro das Igrejas e nas ruas do Centro da cidade, colonizada por imigrantes italianos.

 

A Páscoa em Santa Catarina

Foto: Daniel Zimmermann/divulgação

A Páscoa em Pomerode (SC), a “cidade mais alemã do Brasil”, tem até um nome germânico. A festividade se chama Osterfest e dura um mês. Uma serenata – a Osterstüppen – é organizada na madrugada do sábado para o domingo de Páscoa. Bem cedo, ainda em jejum, as famílias vão até uma fonte e pegam água (osterwasser), que será guardada e consumida apenas no ano seguinte para trazer “beleza e saúde” para todos. Outro costume tipicamente alemão é enfeitar árvores (Osterbaum) com ovos decorados artesanalmente.

Artigos Relacionados

Dia do Cinema Brasileiro (19/06)

Dia do Cinema Brasileiro (19/06)

A paternidade do cinema brasileiro é atribuída a Afonso Segreto, que filmou a Baía de Guanabara em 19 de junho de 1898. Por terem sido as primeiras cenas em movimento em terras brasileiras, a data se transformou no aniversário do cinema brasileiro. Leia 10...

A Páscoa na Região Norte do Brasil

A Páscoa na Região Norte do Brasil

A Páscoa em Belém Durante a Semana Santa, os católicos de Belém fazem procissões que passam pelas sete igrejas históricas, que ficam na área central da cidade. Um município vizinho, Barcarena, apresenta a mais famosa encenação da Paixão de Cristo da região Norte. Foi...

A Páscoa na Região Nordeste do Brasil

A Páscoa na Região Nordeste do Brasil

Três pratos são muito tradicionais na Páscoa do Nordeste. O primeiro deles é o quibebe, um tipo de purê de jerimum, consumido na sexta-feira santa, no lugar da carne vermelha. O segundo é o arroz de coco (cozido com leite de coco). Só que o mais emblemático é o feijão...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *