O Papa João Paulo II escapou de um atentado no Santuário de Fátima, em Portugal. O autor foi um sacerdote fundamentalista católico espanhol chamado Juan Fernandez Krohn, que acusava o Papa de ser “um agente comunista infiltrado no Vaticano para destruir a Igreja Católica”. Ele tentou matar João Paulo II com uma baioneta de 37 centímetros, usada na Primeira Guerra e comprada em Paris.