27 de setembro é a data da morte, em 1952, de um dos maiores fenômenos da história da música popular brasileira, Francisco Alves. Conhecido como o “rei da voz”, apelido dado pelo radialista César Ladeira, Francisco Alves apareceu em uma época em que as técnicas de gravação se aprimoravam, os discos se popularizavam, o rádio se desenvolvia e o samba se consagrava como estilo musical. Estima-se que vendeu cerca de 5 milhões de discos. Sua primeira gravação aconteceu em 1919, com três composições de Sinhô, o “rei do samba”: “Pé de Anjo”, “Fala, meu Louro” e “Alivia estes Olhos”. Foi responsável pela consgração de diversos compositores negros de samba, como Cartola, Heitor dos Prazeres e Ismael da Silva. Quando morreu, em um acidente de carro, ainda estava no auge da carreira. Sua morte provocou comoção popular em todo o país. Alguns dos sucessos mais importantes são “Boa Noite, Amor”, “É Bom Parar”, “Foi Ela”, “A Mulher que Ficou na Taça”, “Serra da Boa Esperança”, “Se Você Jurar”, “Fita Amarela”, “Aquarela do Brasil” e “Onde o Céu Azul é Mais Azul”.