Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

10 curiosidades sobre o Jornal Nacional

24 de abril de 2019

1. Foi o primeiro telejornal brasileiro exibido em rede nacional e ao vivo. Ainda hoje, é um dos programas jornalísticos mais vistos do mundo. 68% dos televisores do país ficam sintonizados nele enquanto é transmitido.

2. Estreou às 19h56 do dia 1º de setembro de 1969, uma segunda-feira. O locutor Hilton Gomes abriu o programa com a frase: “O Jornal Nacional da Rede Globo, um serviço de notícias integrando o Brasil novo, inaugura-se neste momento: imagens e sons de todo o País”.

3. Um comercial de 30 segundos veiculado durante o programa custa entre 250 e 380 mil reais.

4. O apresentador Cid Moreira ficou à frente do telejornal durante 27 anos, da estreia até 1996. Uma vez, ele chegou atrasado no estúdio por causa de uma partida de tênis e acabou apresentando o programa vestido com um calção. A roupa, evidentemente, não apareceu, porque estava debaixo da mesa.

5. O JN mobiliza cerca de 600 profissionais para produzir 30 minutos diários de reportagens. Há equipes do jornal em 118 cidades do Brasil. São produzidas cerca de 50 reportagens por dia para o jornal, mas apenas 22 vão ao ar. Uma equipe de 36 fonoaudiólogos presta assistência aos repórteres do JN.

6. Durante a campanha pelas eleições diretas, em 1984, o JN foi acusado de não cobrir o comício realizado na Praça da Sé, em São Paulo. O programa exibiu imagens do encontro, mas o texto usado dava a entender que ele fazia parte das celebrações do aniversário de 430 anos da cidade. Os comícios menores, promovidos em Curitiba, Vitória, Salvador e Campinas, não foram ao ar, porque o fundador da Globo, Roberto Marinho, achava que os atos poderiam “ser um fato de inquietação nacional”.

7. Em 1989, o jornal levou ao ar uma edição considerada tendenciosa do debate entre os candidatos à presidência Fernando Collor de Mello e Luís Inácio Lula da Silva. Collor aparecia em seus melhores momentos e ganhava um minuto e meio a mais de espaço do que Lula. O filho de Roberto Marinho, João Roberto, declarou à revista Veja em agosto de 2004: “é preciso ter em mente que aquela era a primeira eleição para presidente na era da televisão de massa. Não passa pela minha cabeça que os equívocos tenham sido cometidos por má fé”.

8. Entre as reportagens do “Jornal Nacional” que mais marcaram sua história está a entrevista com Paulo César Farias, empresário envolvido no escândalo que tirou Fernando Collor da presidência. A matéria foi realizada por Roberto Cabrini. Sua exibição rendeu 80 pontos de audiência e um texto na revista Veja, cuja manchete era: “PC se entrega à Globo”.

9. O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho descobriu que o JN exibiria uma matéria sobre ele no mesmo bloco em que seria mostrada uma reportagem sobre as acusações de corrupção contra o senador paraense Jader Barbalho e o governador do Espírito Santo, José Ignácio. Garotinho ligou então para a equipe do programa e pediu que isso não ocorresse. Ironicamente, houve uma falha técnica e a matéria sobre Barbalho e Ignácio foi lida com a imagem de Garotinho ao fundo.

10. Os repórteres do jornal recebem uma ajuda de custo anual para comprar roupas. A apresentadora Fátima Bernardes usava um figurino cedido pela Globo. Já seu marido, o também apresentador William Bonner, veste seus próprios ternos e gravatas. 

Livro aponta pontos negativos e positivos na educação de crianças que veem televisão.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This