The Lion Sleeps Tonight: as histórias por trás da mais famosa música sul-africana

21 de abril de 2020
A letra da canção africana mais famosa de todos os tempos, “Mbube” (leão, em zulu, uma das 11 línguas oficiais da África do Sul), foi escrita em 1920 por um menino chamado Solomon Linda. Ele tinha apenas 11 anos. Linda esperou 19 anos até conseguir gravá-la com seu grupo vocal, The Evening Birds. Em 1939, depois de um trabalho no hotel The Carlton, ele arrumou emprego no primeiro estúdio de som instalado no continente africano, o Gallo, em Joanesburgo. Certa tarde, ele e o grupo foram autorizados a usar o estúdio por 15 minutos. Na segunda das três tentativas, Solomon Linda pronunciou nos segundos finais a célebre frase da canção: “Na selva, a selva poderosa, o leão dorme hoje à noite”.

 

Solomon Linda vendeu a música por menos de 2 dólares

 

O estúdio prensou o disco e a música fez bastante sucesso na África do Sul. Seu nome até batizou o gênero. Calcula-se que tenha vendido cerca de 100 mil cópias. O musicólogo sul-africano Hugh Tracey enviou um pacote de discos para amigos em Nova York, nos Estados Unidos. Foi assim que “Mbube” chegou nas mãos do produtor Alan Lomax, que a mostrou para Pete Seeger, cantor de folk e integrante da The Weavers. A banda passou a incluir a canção em suas apresentações. Em 1952, a The Weavers gravou uma versão chamada “Wimoweh”, que manteve a essência da música original. Nos créditos, os produtores colocaram que ela era baseada numa “canção folclórica africana”. Isso chegou aos ouvidos da Gallo, que resolveu brigar pelos direitos autorais. Apareceu então um documento assinado por Solomon Linda (curiosamente com uma linda letra, apesar de ser analfabeto), cedendo os direitos para o estúdio. A história diz que o autor recebeu menos de 2 dólares para assinar o documento.

 

A “Wimoweh” do The Weavers alcançou rapidamente o Top 10 da Billboard. Com isso, vários grupos e cantores passaram a gravar novas versões, incluindo a mais popular cantora sul-africana, Miriam Makeba, que manteve o título original da canção no disco gravado em 1960. Quando soube da existência de Solomon Linda, Pete Seeger pediu que sua editora enviasse os royalties de “Wimoweh” para o sul-africano. O que se conta é que a editora nunca fez os repasses integrais. Enviava dinheiro insuficiente para tirar a família de uma casa de chão de terra e tijolos aparentes no bairro de Zola, no Soweto.

 

Em 1961, Jay Siegel, da banda The Tokens, pediu que o já badalado compositor George Weiss escrevesse uma letra para a música. Assim nasceu “The Lion Sleeps Tonight” (O Leão Dorme Esta Noite), ainda sem os créditos e pagamentos de direitos autorais para Solomon Linda. O disco vendeu perto de 1 milhão de cópias e chegou ao primeiro lugar do Hot 100 da Billboard. Linda morreu em 1962 com apenas 150 rands na conta bancária (aproximadamente 60 reais).

 

Disputa entre descendentes e os Estúdio Walt Disney pelo pagamento de direitos autorais

 

“The Lion Sleeps Tonight” entrou na trilha sonora do filme (1994) e depois do musical (1997) “O Rei Leão”, ambos produzidos pela Disney. Em 1999, o jornalista africâner Rian Malan escreveu uma reportagem para a revista Rolling Stones com a história da canção e questionando para onde teria ido a parte que caberia às quatro filhas de Solomon Linda. Descobriu que elas recebiam alguns trocados. Malan resolveu ajudá-las e começou aí um longo processo judicial, que é contado pelo próprio Malan no documentário “O Rei Leão e o Músico Esquecido” (The Lion’s Share, 2019), da Netflix.

 

O acordo foi fechado apenas em 2006 e expirou em 31 de dezembro de 2017. Elisabeth, Delphi e Fildah (Adelaide morreu em 2002, vítima de Aids) receberam cada uma nesse período perto de 250 mil dólares. A ação inicial pedia 2,5 milhões de dólares. Malan calcula que a música tenha rendido para a Disney 15 milhões de dólares em direitos autorais. Para a versão live action de “O Rei Leão”, de 2019, Lebo M gravou uma nova versão de “The Lion Sleeps Tonight”.

 

No documentário, Elisabeth conta que o pai cantava “Mbube” se referindo a ele mesmo como “um leão”. Mas, nesse caso, foi a Disney que ficou com a parte do leão.

 

Artigos Relacionados

Sucessos musicais com uma coisa e uma cor

Sucessos musicais com uma coisa e uma cor

Parece que uma das receitas para o sucesso de uma música é colocar no título uma coisa e uma cor. Foi o que fez o maranhense Manoel Gomes, que viralizou na internet com a sua Caneta Azul. Foram 10 milhões de views em apenas duas semanas.     Quando eu digo...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *