O cavalo que proclamou a República

15 de novembro de 2016

Minha encomenda no site Estante Virtual chegou há alguns dias. Comprei o livro “O Cavalo que Proclamou a República”, do diplomata brasileiro Manoel Pio Corrêa, lançado em 1999 pela Editora Expressão e Cultura. O texto de abertura é que batiza o livro e hoje é um dia bem apropriado para destacar alguns trechos.

Corrêa relata que o escritor Coelho Netto, nas páginas da Revista da Academia Brasileira de Letras,  contou “haver estado ao lado de [Marechal] Deodoro [da Fonseca] durante a jornada de 15 de novembro de 1889, e afirma que o Marechal montava, naquela ocasião, ‘um fogoso ginete negro’, cujo nome, porém, é omitido”.


E Corrêa escreveu: “Pois bem, esse cavalo é um impostor, apadrinhado indevidamente pelo ilustre escritor patrício. No dia em que a ‘Nação assistiu bestificada à proclamação da República’, na frase de um historiador contemporâneo, o Marechal Deodoro não montava um ‘fogoso ginete negro’, mas um mansíssimo cavalo baio, da cavalhada do 1º Regimento de Cavalaria, mais exatamente o cavalo nº 6, do I Esquadrão daquele Regimento; simples cavalo de tropa, ‘cavalo raso’, por assim dizer, nem sequer montada oficial, quanto mais montada de general”.

Por que o Marechal Deodoro escolheu um cavalo assim? Corrêa prossegue: “Pela manhã, o Marechal viera de sua residência em carruagem, sofrendo muito de reumatismo e de uma gota felizmente civil e não militar, ao quartel do Regimento, em São Cristóvão, para conseguir ali um cavalo. Os achaques do Marechal fizeram escolher justamente o cavalo menos fogoso, o bom baio nº 6, pois Deodoro, no estado em que estava, não era só incapaz de ‘boliar a perna’ por cima de um cavalo, como foi necessária a assistência de várias pessoas para içá-lo e empurrá-lo até a sela – operação que haveria sido impossível se a outra parte interessada fosse um ‘fogoso corcel’, e não um pacífico maturrango”.

De onde vem toda essa certeza do autor? Corrêa responde no parágrafo seguinte: “Ainda conheci, em minha juventude, duas testemunhas oculares desta cena: o General Tasso Fragoso e o Marechal Ilha Moreira, ambos jovens oficiais então, servindo às ordens do Marechal Deodoro. Eu mesmo vi, 50 anos depois da Proclamação da República, uma pequena placa aposta junto à baia que fora ocupada meio século antes pelo imortal baio nº 6, relembrando o seu papel decisivo na Proclamação da República. Decisivo, pois sem ele o Marechal estaria de pé: pode-se imaginar Deodoro, a pé e capengando, tentando, apoiado em uma bengala, galvanizar as tropas? Ou, pior ainda, estatelando-se na frente da tropa formada e do povo bestificado, derrubado ao chão por um cavalo menos dócil, menos republicado? Pode-se aquilatar assim o papel importante, essencial mesmo, do baio nº 6 na Proclamação da República”.

O cavalo baio nº 6 nunca mais seria montado até a sua morte, em 1906.

Artigos Relacionados

Mulheres podem fazer sushi?

Mulheres podem fazer sushi?

Há muita gente que acredita que não. O motivo seria a oscilação da temperatura das mulheres no período fértil. A temperatura do corpo não sobe mais que meio grau. Isso seria o suficiente para o sushi sofrer alterações de sabor? O mito nasceu do conservadorismo da...

Balas de borracha não são feitas de borracha

Balas de borracha não são feitas de borracha

As balas de borracha foram usadas pela primeira vez pelo exército britânico em 1970 durante o conflito etnonacionalista "The Trouble" (O Problema), na Irlanda do Norte.  O projétil de borracha duro, de 15 centímetros, parecia um pequeno míssil e tinha o nome de...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *