Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Vida e morte das balas Sönksen

31 de janeiro de 2011

Até a década de 1970, o nome Sönksen era sinônimo de balas e chocolates em São Paulo. Até hoje, muitos paulistanos se lembram das famosas balas de cevada, que tinham a forma de pingos achatados e vinham em latinhas redondas na cor bordô. Dizia-se que elas combatiam até resfriados. Havia também balinhas nos sabores tangerina, leite, anis, mel e abacaxi. A Sönksen fabricava balas de goma, bombons, pães-de-mel e chocolates. Os primeiros ovos e coelhos de Páscoa, e Papais Noéis de chocolate foram fabricados por eles. “Chocolate para famílias” era o slogan estampado nas embalagens. Poucos registros daquela época foram guardados.

Mesmo com tantos produtos de sucesso, as finanças da empresa começaram a degringolar. Por serem mais sofisticados, os doces da Sönksen eram mais caros e só eram vendidos em lojas próprias. Elas ficavam basicamente na região central: Rua XV de Novembro, 24 de Maio, São João, Augusta. Em 1973, a Sönksen foi colocada à venda, e passou para as mãos de um grupo de empresários que controlava também a doceria Ofner. O único membro da família que se recusou a vender sua participação foi Broder August Sönksen. “Meu pai continuou na nova sociedade como um acionista minoritário”, conta Werner August Sönksen, que atualmente mora na Espanha e trabalha como diretor internacional da seguradora espanhola Cresce.

Mesmo sob nova direção, a Sönksen não conseguiu se recuperar. Em 1977, as finanças iam tão mal que a empresa pediu concordata. Três anos mais tarde, a fábrica foi vendida novamente, dessa vez para a empresa Casa Falchi, que mudou a razão social para Sönksen Produtos Alimentícios. Foi só então que Broder deixou definitivamente a empresa. Os negócios não melhoraram e, em 1983 a fábrica fechou de vez. No dia 5 de setembro daquele ano, a Justiça decretou a retirada forçada das máquinas. Assim que o maquinário foi removido, teve início um misterioso incêndio. Cerca de 200 empregados assistiram à chegada dos bombeiros. Já era tarde para salvar alguma coisa.

Depois da falência da Sönksen, Broder ainda fez uma tentativa de resgatar a tradição do clã no segmento dos doces. “Como meu pai já tinha o registro do nome nas lojas, começamos a fabricação de alguns produtos da antiga empresa”, lembra Werner. Foram relançados os bombons com licor de frutas, além dos ovos, coelhos e Papais Noéis de chocolate. “Contratamos ex-funcionários da empresa falida, que resgataram as receitas”. O negócio durou até 1987. Com a morte de Broder e com a falta de interesse dos herdeiros em tocar o negócio, o projeto foi encerrado. Werner, que hoje detém o registro da marca, diz que pode estudar propostas de interessados em ressuscitar a Sönksen.

A árvore genealógica

A empresa, que recebeu o sobrenome da família paulistana de origem alemã Sönksen, não nasceu nem morreu nas mãos de membros do clã. Em 1888, a loja de chocolates La Bombonière foi inaugurada na rua Líbero Badaró por Alfred Richter. Richter casou-se em 1900 com Alwine Sophia Sönksen, que herdou a loja depois da morte do marido. Como mas não quis continuar com o négócio, ela vendeu a La Bombonière para João Faulhammer em 1904. Uma das filhas do empresário, Anna Sophia, casou-se com Augusto Sönksen, irmão de Alwine.  Foi Augusto quem convenceu Alwine a voltar para o negócio, junto com outro irmão, Christian. Os três compraram a empresa de Faulhammer em 1912 e deram e ela o nome de Sönksen. A fábrica e a sede da empresa ficavam num prédio no número 310 da Rua Vergueiro. Em 1948, o trio incluiu mais parentes entre os acionistas.

Salário em chocolate

Luiz Antonio Barbieri foi analista de organização e métodos da Sönksen entre 1976 e 1977. Naquela época, a empresa já estava mal financeiramente. Barbieri participou do processo de informatização da fábrica. Mas, pouco tempo depois, a direção decidiu voltar ao trabalho manual. “Eles não tinham recursos para sustentar aquele sistema”, conta Barbieri. As finanças estavam tão frágeis que os salários dos funcionários viviam atrasados. “A gente recebia num determinado mês e ficava outros dois sem ver a cor do dinheiro”. Barbieri deixou a empresa em setembro de 1977 e só recebeu os atrasados em abril do ano seguinte. “E o pagamento foi em chocolates”, lembra ele, contando que foi para casa com o carro cheio de doces.

A moça da Sönksen

Ela até parece parente da moça da Nestlé, mas não é. O símbolo veio do quadro La Belle Chocolatière, do pintor suíço Jean Etienne Liotard. A moça da Sönksen carrega uma bandeja com um copo d’água e uma caneca de porcelana com chocolate quente.  A escolha foi feita em 1888, quando a empresa ainda se chamava La Bombonière.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

125 Comentários

125 Comentários

  1. alcina adami

    Em 1957 , aluna normalista, sorteei o assunto O CACAU para minha aula prática do exame final. Fui até a fábrica pedir ¨socorro¨. Fui muito bem atendida pelo dono que além de me fornecer orientaçao de mestre, me forneceu materia didádico para ilustrar a aula. Exibi para os alunos ´(e para a banca examinaddora) o fruto do cacau, asequencia do processamento e . por fim , o prtoduto pronto para sser apreciado o qual foi degustada pelas crianças. Tirei nota dez, fui cumprimentada pela banca (esta ficou sem os chocolates, CLARO !!! seria suborno da minha parte. ) Esta é a minha feliz lembrança da Fabrica da Rua Vergueiro.

    Responder
  2. Betty

    adorei ler isto! saudade das balas de cevada… Veja só: eu pensava q a empresa fosse do sul, pelo nome (sueco?).

    Responder
  3. Wanira

    Meu primeiro emprego foi na Sönksen, eu tinha 15 anos…. passei lá 3 anos maravilhosos, apesar dos atrasos de salário, mas a gente amava o lugar, o trabalho – era como se todos nós quiséssemos salvar a empresa do pior… Acompanhei, com profunda tristeza a retirada das máquinas da fábrica, pois meu pai foi um dos mecânicos que teve que ficar para a desmontagem… e maior dor ainda foi quando o fogo tomou conta das isntalações…
    Fiquei muito emocionada ao ler essa matéria.

    Responder
  4. Reinaldo Effenberger

    Conheci a Sönksen quando era criança, lá pelos idos da decada de 1960, a loja ficava na rua 15 de Novembro. Os produtos eram especiais e de muito boa qualidade. Alguns são inesquecíveis como: o chocolate branco “Urso Branco”, a “Bala de Alcaçus”.

    Responder
  5. Gil

    Saudades das balas azedinhas, das de cevada (minha avó sempre tinha uma lata na bolsa, que oferecia para os netos), das balas Verafrut, do chocolate trufado Trüffel, vendido em barras, dos chocolates Urso Branco e Urso Marron…
    As azedinhas eram vendidas em três versões: as da latinha, as parecidas com as que vinham na latinha, porém menores, vendidas em saquinhos plásticos e as maiores, em forma cilíndrica, embrulhadas, vendidas em unidades. Em uma viagem à Europa, em 1982, levei um saco com estas balas embrulhadas, e as chupava de vez em quando, durante as viagens de trem. Em uma destas viagens, na Alemanha, eu as ofereci aos demais passageiros do compartimento no qual eu viajava. Expliquei que eram balas brasileiras o que, é claro, despertou a curiosidade deles. Mas foi muito difícil fazê-los acreditarem que as balas eram efetivamente do Brasil, após verem o nome alemão “Sönksen” escrito na embalagem…
    Ainda tenho em casa uma lata da embalagem branca (azedinhas) e uma da vermelha (cevada). Ambas vazias, infelizmente.

    Responder
  6. Dora Schlieper

    Alem das famosas balinhas de cevada tambem lembro com saudades dos coelhinhos de Pascoa pintados com verniz por cima e nos ninhos do coelinho havia uns ovinhos de massinha comestivel… muito gostoso!

    Responder
  7. MARIO JORGE CHAMINÉ

    AMIGO MARCELO GOSTARIA QUE SE VOCE PUDESSE, ME MANDARIA, AQUELA ENTREVISTA QUE EU MARIO JORGE CHAMINÉ FIZ COM VOCE NA R. BANDEIRANTES, PARA O PROGRAMA LOUCOS POR FUTEBOL QUE COMEÇA A 22 HORAS NA R.BANDEIRANTES. MANDE POR EMAIL, OU RUA WASHINGTON LUIZ N 72 LINHARES ES. MARIO JORGE ROSA DOS SANTOS, ESPERO RESPOSTA.

    Responder
  8. maira tanese

    valeu. pena nao ter uma foto do rótulo do delicioso chocolate “urso branco” de sabor inigualavel.

    Responder
  9. andreas

    Meu pai, Josef Wurzburger, prestava serviços de jardinagem na casa do Sr. Broder Sonksen e eram inesquesiveis as noites em que meu pai trazia balas ou chocolates que recebiam da Sra, Sonksen para mim e minha irmã. É uma pena que uma marca tenha terminado. Espero que os herdeiros consigam restabelecer a fabricação e a fama dos chocolates Sonksen.

    Responder
  10. Fabio

    A minha mãe trabalhava na feira e sempre trazia chocolate em pó da Sonksen.O chocolate vinha numa caixinha de cartolina revestida com celofane.A fabrica ficava na Av.Liberdade.Que pena que faliu.

    Responder
  11. Luiz Eduardo Grinebrg

    ah que saudades desses chocolates que fizeram minha infância + feliz.
    Na época da páscoa, meu pai saía daqui de Mogi das Cruzes/SP para comprar balas e ovos de páscoa na Sönksen e eu e minha irmã adoravamos.
    Já até pensei procurar os herderios para saber se alguns deles ainda fabricava os “benditos” e deliciosos chocolates e balinhas. Mas, infelizmente, não consegui encontrá-los e agora descobri que nenhum dos herdeiros continuou a tradição. Isso é uma pena! Pois a nova geração está privada de conhecer o melhor chocolate fabricado no Brasil.

    Responder
  12. Luiz Eduardo Grinberg

    ah que saudades desses chocolates que fizeram minha infância + feliz.
    Na época da páscoa, meu pai saía daqui de Mogi das Cruzes/SP para comprar balas e ovos de páscoa na Sönksen e eu e minha irmã adoravamos e fazíamos aquela festa.
    Já até pensei procurar os herderios para saber se alguns deles ainda fabricava os “benditos” e deliciosos chocolates e balinhas. Mas, infelizmente, não consegui encontrá-los e agora descobri que nenhum dos herdeiros continuou a tradição. Isso é uma pena! Pois a nova geração está privada de conhecer o melhor chocolate fabricado no Brasil.

    Responder
  13. Evelin Orban

    Lembro, quando criança, que Sociedade Lyra fazia as festas de Páscoa , numa área em Santo Amaro,às margens da represa, que pertencia aos Sönksen’s. Eu adorava aquilo! Tinha teatro de fantoche (com cabeça de madeira); eles vendiam uns papeis numerados e depois trocavamos na barraca com o numero dos ovos de Páscoa correspondente. Cheguei a ganha o coelho de chocolate maciço, com cesta de ovos nas costas, que era o maior premio. Tinha também a busca dos saquinhos com chocolates e balas , no bosque. As crianças não podiam ir para lá até o “coelhinho” esconder todos os saquinhos por entre as plantas. Eu tinha uns 7 ou 8 anos, e é inesquecível. Alguem participou disso?

    Responder
  14. Rogério

    Puxa vida! Nem me recordava que ficava na Vergueiro! Tenho 38 anos e, quando criança, bem novo ainda, fui em uma excursão da escola na fábrica. Eu me lembro que ganhei uma latinha de balas bem legal! Saudades…

    Responder
  15. paula

    Uma das minhas grandes lembranças de criança era a chegada do meu pai em casa quando ele voltava de viagem e nos trazia o chocolate “Urso Marrom”. Inesquecível sabor!!! Que pena que acabou!!! Atualmente fico à procura do mesmo sabor deste chocolate, mas ainda não encontrei!

    Responder
  16. Italo Aguiar

    Meu avô Anor Aguiar, foi um dos sócios-proprietários da Fabrica de Chocolates Falchi, logo depois que a Sonksen faliu, eles a compraram. Muito bom saber dessas histórias, irei mostrar para o meu avô, ele irá se maravilhar. Abraços.

    Responder
  17. Dorval Campos / Joinville - SC

    no final dos anos 60, inicio dos anos 60 a Sönksen teve presença importante na vida da nossa família. Páscoa e Natal tinham que ter chocolates e balas Sönksen. as famosas azedinhas a gente consumia o ano todo, além das de cevada que só eu gostava. Dos chocolates o meu preferido é o Balangandan (com castanhas de cajú). já a minha irmã adorava o Urso Branco. lembro também das caixas de bombons. A briga era para comer primeiro os bombons de nozes, castanhas e avelãs. Depois só ficavam os de frutas que não eram tão disputados. Pena que a Sönksen faliu… tinha gosto de infância…

    Responder
  18. Carlos josé bistaffa

    Boa noite,estava eu e meu filho revendo algumas coisas, pertences de minha mãe…foi quando vi uma latinha vermelha com letras douradas do qual descrevem ,sendo assim surgiu um interesse (de meu filho) se havia algum registro dessa misteriosa: balas de cevada.
    Muito bom saber e conhecer essa história ,uma grande pena que faliu!!obs: O melhor de tudo é que ainda possuo esta latinha na cor avermelhada com letras douradas…

    Responder
  19. valéria (Curitiba)

    Hoje dia da Páscoa lembrei-me dos chocolates Sonksen e procurei saber se ainda existia a fábrica em São Paulo, deu tristeza saber que já não existe mais. Quando eu ia para escola passava em frente da fábrica na rua Vergueiro, tenho na minha memória a nítida lembrança da marca e da moça da Sonksen. Que saudades !!!

    Responder
  20. CRISTIANE

    SEMPRE ADOREI AS BALAS E O CHOCOLATE DA SONKSEN. LEMBRANÇAS QUE EMOCIONAM. EU MORO PERTO DA RUA VERGUEIRO E NAQUELA ÉPOCA, MEU PAI AINDA VIVO, COMPRAVA UNS BOMBONS E BALAS NO PAGAMENTO E LEVAVA PARA MIM.
    COMO SERIA BOM SE MEU PAI E A SONKSEN AINDA EXISTISSEM.
    SAUDADES E O QUE É BOM DURA PARA SEMPRE.
    TOMARA QUE UM DOS HERDEIROS QUEIRA RETOMAR AS ATIVIDADES DA SONKSEN.
    UM ABRAÇO
    CRIS
    SÃO PAULO

    Responder
  21. Fernando

    Essas balas da latinha trazem a lembrança do cine espacial, cine comodoro… Gostaria de saber se existe dessas balas ainda, mesmo que importadas! Abraço a todos.

    Responder
  22. Tereza

    Adorei descobrir a história da fabrica da Sonksen,tenho muitas saudades tanto das balas azedinhas e cevada e mais ainda do pão de mel.Sou do Rio de Janeiro e conseguia comprar esses produtos em uma loja no centro da cidade,loja Blumenau (que também acabou),é uma pena não termos mais esses produtos de sabor tão especial.Muito bom esse blog do curioso adorei.

    Responder
  23. Jose Carlos Vincoletto

    Aos 18 anos, fui contratado como analista de custos na inesquecivel fabrica centenaria da rua Vergueiro 310. Minha tarefa era organizar e registrar as receitas de todos os produtos para futura implementacao de um sistema informatizado de custos. Foi a tarefa mais prazerosa da minha vida. Um ano quase inteiro circulando pela producao quase que diariamente. Registrei tempos e quantidades de ingredientes e metodos de producao. Mas o melhor provei quase todas IN LOCO. Ainda sinto o cheiro do cacau sendo torrado, das amendoas sendo esmagadas para producao da massa de cacau que se tornaria chocolate. Das cerejas verdes chilenas que se tornariam o recheio dos famos bombons cerejas ao licor, do crespinho feito com carinho, um a um, sim um a um, por mais habeis de senhoras vestidas de branco. Um ano de emocao, saudades, amigos e mutias dificuldades pelo atraso nos salarios. Legal ver que pessoas tenham tanto carinho por esta marca (familia) que mesmo por tempo marcou minha vida. Legal ver alguns nomes aqui como da Wanira, minha colega de trabalho da epoca.

    Responder
  24. Flávio José de Siqueira Cavalcanti

    Parabéns pela matéria! Sou descendente de alemães e a minha mãe conhecia os Sönksens, que se não me engano moravam na Praça N. Sa. Aparecida com a Av. Ibirapuera, em Moema, onde hoje fica o Edifício Edel Trade Center – local em que a Ofner ocupa boa parte do andar térreo. A casa-residência da família deu lugar, nos anos 70 – provavelmente junto com a falência dos negócios da fábrica -, a um “parquinho” de diversões, desses típicos de bairro hoje periféricos (possuía trem fantasma, roda gigante, carrinho bate-bate, chapéu mexicano, espetinhos de gato e fotógrafos de monóculos em dias de domingo etc). Mas o fato dos Sönksens terem essa casa é fato para, jornalisticamente, você confirmar. Deixe-me saber depois, se você vier a correr atrás de alguma notícia que confirme esse relato!
    Gostei do post.
    Abraços,
    Flávio José de Siqueira Cavalcanti

    Responder
  25. aliomar

    Recentemente estava comentando com amigos, sobre os inigualáveis chocolates sonksen, em especial os referenciados nos comentários: o urso brando e o urso marron. sabor de infância; também o trufell e as balas, os blocos de leite, nunca mais provei algo igual. Soube que um ex funcionário fundara uma fábrica de chocolates na Penha em São Paulo, infelizmente porém o sabor é bem diferente. Parabéns ao Marcelo, e aos comentários que trouxeram um brilho especial, além de mostrar o desejo de todos para que a Sonksen volte a nos brindar com seus produtos.

    Responder
  26. Maria Cristina Carrasco

    Que pena! Pensei que ainda fosse possível saborear aquela barra de chocolate embrulhada em papel verde-escuro, com letras brancas… até me lembro do cheiro delicioso desse chocolate dos deuses!
    Maria Cristina Carrasco

    Responder
  27. Walther

    Saudades daquele sabor da minha infância. O chocolate Urso Marrom tinha um sabor tão bom que coloca, para mim, os chocolates de hoje no chinelo, inclusive o Kopenhagen.
    Se voltasse, mantendo a receita original, teria em mim um cliente frequente.

    Responder
  28. Miriam Maluhy

    Saudades… Também estava procurando as balas de cevada sonksen e me deparei com a notícia do fim das balas e produtos em geral. Que pena, mas lendo as mensagens posta aqui, revivi um tempo maravilhoso da minha infância.

    Responder
  29. Nilo Varela

    Prezados Srs.,
    Gostaria de saber se vocês podem fabricar balas de chocolate, com minha logomarca, para distribuição aos meus pacientes da clinica médica.
    Obrigado,
    Nilo Varela
    (21)4141-9212

    Responder
  30. Maria Adilia Germana Hohagen

    SAudades das minhas balinhas.Adoraria que elas voltassem para o mercado!

    Responder
  31. brigitte loyola

    Meu Deus do ceu!!! Venho procurando balas de cevada por todos os lugares, aqui e no exterior. Nada ate agora. Fabricantes de balas, por favor nao pesquisem novos sabores, PRODUZAM BALAS DE CEVADA.
    A venda sera garantida e os lucros tambem……E so anunciar!!!
    (tomara que alguem me ouca)
    A saudade mata a gente morena….

    Responder
  32. Regina Albrectsen

    Como toda a criança paulistana dos Anos 60, também tenho o meu relato sobre a minha experiência infantil, a respeito dos inesquecíveis chocolates e balas Sønksen…
    Eu vivia na rua Vergeiro 916 apt0.13 – portanto, há alguns metros apenas da fábrica. Tinha de atravessar a rua para subir aquelas escadas que nos levavam em direção à Av. Paulista, onde a minha escola (Grupo Escolar Rodrigues Alves)ficava. E, para chegar a essas escadas…passava obrigatóriamente pelo nr. 310 da Vergueiro! Daí, ficava parada, olhando aquela vitrine de vidro com objetos da fábrica expostos…As balas, os chocolates, (ai, aquelas balinhas-de-leite, envoltas naqueles celofanes verdinhos, com o logo da família Sørensen em letras góticas!…)Aquilo me fascinava e as outras crianças da rua também! Na Páscoa, a minha madrinha comprava chocolates e as latinhas com balas! Era o máximo!
    Eu sempre pensei que a família Sønksen (Sönksen) fosse dinamarquesa…Interessante saber a história dessa gente tão bacana, que escolheu São Paulo para ser a sua cidade; especialmente o Paraíso(V.Mariana). Uma pena tudo ter acabado, assim…Mereciam estar no mesmo patamar dos chocolates Kopenhagen, que continuam na batalha de mercado. Qualidade não faltou e críticos infantís, tampouco! Somos todos a favor de uma possível volta desses chocolates e espero qe essa família resolva retornar! Eu quero fazer de tudo para que esses chocolates cheguem à Dinamarca, país onde vivo. A Sønksen deve ter sucesso internacional, gente! É parte da história dos imigrantes europeus bem-sucedidos no Brasil. Em São Paulo, particularmente! Quero cumprimentar o autor desse artigo e lembrar o sr. Werner August Sønksen, que pense crinhosamente no assunto “chocolates & balas Sønksen” e seu regresso, hein???

    Responder
  33. Eliana Barbarisi

    Lembro bem e com muitas saudades dos chocolates. Lembro que meu pai, gerente do Banco Moreira Salles, na época, ganhava sempre do dono uma caixa de bombons maravilhosos. A caixa em si, era um quadro de tão grande e linda. na Pascoa esperávamos sempre aquele OVO gigantesco da Sonksen. Lembro que a decoração da embalagem do ovo era feita em feltro.
    Saudades de tudo, inclusive das balinhas de cevadas que vinham em latinhas.

    Responder
  34. Ligia

    Sempre tive curiosidade em saber o “porque”esse chocolate MARAVILHOSO sumiu!!!!!Tenho muitas saudades de tudo da Sonksen!!!! A minha paixão era o tablete de chocolate branco chamado “URSO BRANCO” Até hoje junta água na boca quando lembro!!! Eu nunca mais vou comer um igual. Não existe choc. branco tão bom!! Ele era ligeiramente amarelado (cor de manteiga de cacau). Tinha um cheiro especial logo ao abri-lo. Meu pai trazia de S. Paulo, e depois aqui em Sorocaba, passou a ter num restaurante que mantinha uma bomboniere. Alem desse “urso branco”, tinha tbem o “beijo africano” que era o pão de mel!!!! HUMMMMM! Não existe igual. Os tabletes grossos amargos, eram de embalagem verde escura!! . que pena que acabou!!! Tenho 60 anos, e sempre fui apaixonada por esse chocolate. Fomos a S. Paulo uma vez, só para comprar um ovo de pascoa enorme. !! Pesava 4 quilos!!! E claro…. trouxe meu URSO BRANCO> Nunca mais….. Não dá para imaginar o sabor de um chocolate BRANCO igual…. SAUDADES>>>>>

    Responder
  35. Afranio

    Trabalhei muitos anos como representante de uma indústria de chocolate, e sei muito bem a excelente qualidade que a Sonken possuia. Hoje não existe nada no mercado, a nível popular, com vendas em varejo que se aproxime o que a Sonken foi um dia. A marca era muito forte, e hoje mesmo com os anos que passaram fora do mercado, acredito no sucesso de seu relançamento. Torço para que os detentores da marca se animem e tragam-nos de volta produtos que deixou tanta saudade.

    Responder
  36. bel gomes

    estou cá, no meio do dia, lendo sobre vida e morte das Balas Sonksen!!! Eram tão boas, o pão de mel tão especial, o nome Sonksen tão forte que merecia uma pausa no trabalho! Troquei o cafezinho pela leitura da matéria. É triste porque era bom demaaaais. Me despeço, agradeço as informações e volto ao trabalho solitária e curtindo literamente minhas doces lembranças!!

    Responder
  37. ANTONIO FERNANDO TERRA

    ESTUDEI EM 1969 COM Hermann Bornholdt QUE ACHO QUE ERA FILHO DO DONO DA FÁBRICA, ACHO QUE MORAVA EM SANTO AMARO. QUEM TIVER NOTÍCIAS… ERA UM AMIGÃO.

    Responder
  38. Constance Bennecke

    Quando meu filho de 8 anos me perguntou hoje o que é “cevada”, lembrei logo das deliciosas balinhas de cevada da Sönsken! Disse a ele que eram deliciosas e que sempre minha mae comprava para nós. Aí ele quis experimentar…. Bem, eu disse, vamos pesquisar se ainda existem essas balinhas, pois me lembram demais a minha infância.
    Foi quando encontrei esta matéria e li pra ele em voz alta, e ele respondeu triste:
    “Que pena, Mami, vou vivera minha vida sem ter sentido o gosto dessas balinhas que você tanto gostava…”
    Pois é, é uma pena mesmo….!

    Responder
  39. Jorge aMosca

    Que saudade daquele bombom cereja,em 1965 meu pai tinha atacado de doce no Pari eramos destribuidores dos produtos Sonksen, aque coelho de pascoa de 14 kg os produtos Sonksen era o que tinha de melhor em chocolate. gostaria de ver esse nome outra ves no mercado.

    Responder
  40. Pedro Dias

    Até hoje quando como um pão-de-mel sinto saudade do sabor inigualável do da Sønksen. Amava também as balinhas de cevada. Parece que os dois eram os únicos produtos da fábrica que chegavam aqui na Bahia. É mesmo uma pena que uma coisa tão boa não tenha perdurado.

    Responder
  41. D. Calefi

    Estive este final de semana em Campos do Jordão e participei da visitação a cervejaria Baden Baden, e durante a visita deram-nos algumas sementinhas de cevada e disseram-nos que poderíamos ate experimentarmos se quiséssemos, ao experimentar a sevada, em questão de milésimos de segundo me veio a cabeça as balas de cevada da tal latinha vermelha e me bateu aquela saudade, como em um comentário que li, também eram compradas pela minha avó, na época eu tinha mais ou menos uns 8 a 10 anos, hoje estou com 50 anos e lamento não poder mais sentir aquele gostinho da minha infância, que pena, entrei no google, na esperança de ainda poder encontrar aquela balas e me deparei com esta reportagem de nosso amigo Marcelo, tomara que algum dia alguém resolva ressuscitar estas balas, e que eu ainda esteja aqui para poder desfruta-las.

    Responder
  42. Marco Manucci

    Que saudade das balas de cevada…
    Quem dera os detentores da marca possam resgatar este patrimònio do paladar e relança-las.
    Acredito que teriam êxito.
    Excelente a matéria, parabens!

    Responder
  43. Mauro Andreatta

    Boas lembranças do meu saudoso pai, que trabalhou na Sonksen/Falchi.
    Fez minha alegria com as balas DELICIOSAS de goma.

    Responder
  44. Aline

    Olá, Marcelo Duarte
    Achei seu blog muito interessante, estava pesquisando sobre a Sonksen para um trabalho acadêmico e vim parar aqui… Gostaria de saber se você teria mais informações sobre a Sonksen e gostaria de nos ajudar…
    Desde de já agradeço sua atenção,
    Aline Melo

    Responder
  45. Salvador Artuzo

    Olá Marcelo
    Achei muito interessante a história dessa empresa, que infelizmente não existe mais. Gostaria de acrescentar que entre os produtos fabricados havia também as balas de alcaçuz cuja latinha era de cor preta.
    Um abraço
    Salvador

    Responder
  46. Wanderley Almeida

    Werner Sonksen, como voce pode ver eu não sou o unico orfão da Sonksen a ter boas lembranças do Urso Branco e Urso Marron.
    Que bom seria se voces Sonksen nos brindassem com um retorno mesmo que seja atravez de um lote edição especial principalmente do Urso Branco
    Dica para os orfãos do Urso Branco!
    Não é a mesma coisa mas na caixa amarela de bombons da Garoto tem de vez em quando (as vezes eles não colocam na caixa) 1 bonbon ( só uma unidade por caixa) que é branco e tem um sabor que se aproxima um pouco do sabor do Urso Branco.
    Ele é quadradinho e embrulhado em um papel amarelo com uma arpa estampada e se não me engano o nome deste bonbon é OPERETA.
    Quantas vezes eu comprei a caixa so por causa de 1 Opereta.
    Werner, meu amigo grande abraço e boas pescarias
    Wanderley Almeida

    Responder
  47. Mario Henrique

    Oi pessoal, sera que alguem conheceu ou tem algum familiar que trabalhou na chocolates falchi, meu av^se chamava Mario e foi o primeiro motorista com caminha baú da Falchi, ele tinha como tradição levar os caminhoes para Aparecida do Norte, para receber uma Banção.
    Por favor se tiverem alguma informação entre em contato. obrigado

    Responder
  48. monica engelbrecht deluqui

    Por onde anda nosso colega WERNER SONKSEN?? Quantas saudades!!! Este email hega até ele? Sim, nós comíamos as balas Sonksen, os chocolates Sonksen, sempre, o ano todo e no NATAl. E muitas vezes nos perguntamos: PORQUE SUMIU!!! Abraços, Werner!!

    Responder
  49. Rui Amaral Jr

    Muito boa lembrança, nomes como a Sonksen hoje valem fábulas!

    Responder
  50. Regina barbato

    Qdo criança, meu pai trazia os famosos chocolates em formatos diferentes… Nós espalhavamos pela mesa e cada um ia escolhendo …casa, bichinhos, flor…não gosto de chocolate branco mas o Urso Branco era maravilhoso…e a bala de cevada??? Por que ninguem fabrica essa delícia??? Sempre contei pros meus filhos( hoje adultos) essas histórias da minha infancia…

    Responder
  51. Ralf Zietemann

    Como colega de classe da Karin Sönksen tenho ainda muito vivas as lembranças da Cia. de Chocolates Sönksen. Ainda no Curso Primário, era rotineira uma excursão até a fábrica da Söksen na Rua Vergueiro. Ah que dias felizes aqueles, ganhavamos chocolate de montão!
    Envio por esta via um grande abraço à Karin e ao Christian!

    Responder
  52. Marina Thompson

    Sempre me lembro das balas Sonksen que marcou minha infância. Tenho muitas saudades daquelas latinhas , que guardava para colocar alfinetes, decalques que colecionava, pontas de lápis,enfim um monte de besteiras. Fora o sabor daquelas balas de sevada que estão na minha memória até hoje.

    Responder
  53. Liza

    Nós, que hoje estamos com + de 50 anos, temos doces lembranças dos anos 60. Época de menos fartura na mesa, mais famílias reunidas à mesa, que hoje em dia. Época em que nós crianças, éramos recompensadas pelo bom desempenho escolar ou pelo bom relacionamento com nossos irmãos, ganhávamos em duas datas ( Páscoa e dia das crianças) chocolates: Balagandã, Urso Branco e Gato…preto, acho. E na Páscoa, ovos crocantes!
    Saudade! Pena que acabou. Delícia!

    Responder
  54. Rosângela

    Tenho 52 anos e nunca mais senti um cheiro de chocolate como esse!

    Responder
  55. Claudia Marques

    Nossa ainda me lembro com agua na boca….. balas de cevada …barra de chocolate trufado….valeria muito apena voltarem a fabricar as antigas receitas, tenho muita saudades dos produtos da Sonksen

    Responder
  56. Cassiah

    Puxa! Quando falava das balas grandes com recheio de frutas,as pessoas me olhavam de lado, desconfiadas de que eu estivesse inventando tanto sabor. Mas hoje me deparei que mais paulistas nascidos na décáda de 60 sabem do que eu estou falando, ou melhor, lembrando, que tal fazermos um movimento Volta sabor Sonksen???

    Responder
  57. Fernanda

    URSO BRANCO = Maravilhoso!!!! Saudades !!!

    Responder
  58. manoel

    que fim levo a fabrica
    eles tão a onde

    Responder
  59. Brigitte

    deveriamos ressuscitar pelo menos as balinhas de cevada.
    quem tem a receita? Em Sr. Werner, ou alguem que o senhor sabe que poderia desenvolve-las novamente.
    E sucesso de vendas.!!!
    No mundo existe alguem que produz essas tao deliciosas balas.
    Coragem Sr Werner,e por uma boa causa.

    Responder
  60. Daniel

    Em São José dos Campos tinha uma Bomboniere na Rua 15 de novembro onde vendia chocolates da Sonksen. Não me esqueço dos Ursos Branco e Marrom e dos chocolates brancos em forma de frutas. Minha mãe comprava a bala de cevada e guardava alfinetes e agulhas na latinha. Lembranças da minha infância.

    Responder
  61. Márcia Frieda Podzuweit Köhne

    Tenho 55 anos e me lembro que na infância ganhava um Papai Noel de chocolate com um cipreste na mãozinha e na Páscoa um coelhinho. Nunca mais senti em qualquer chocolate o mesmo sabor. Enquanto escrevo choro de saudades dessa tão bela época. Que pena não voltarem mais!

    Responder
  62. Márcia Frieda Podzuweit Köhne

    Ver todos estes comentários me faz ficar nostálgica e emocionada. Se a Sönksen voltasse eu também seria uma cliente fiel.

    Responder
  63. Marcos Túlio

    O que mais eu gostava além das balas de cevada era o pão de mel. Tinha em formato de l´ngua de gato e outro com três furos (lembrava soco inglês). Eram de consistência firme, quase duros e o sabor da massa e do chocoate que os revestia, nunca mais.
    E por falar em sabor, não sei o que aconteceu com os cholates atuais, que não lembram em nada o sabor dos antigos.

    Responder
  64. Tania

    Nunca vão fazer chocolate tão bom quanto eles,ainda hoje sinto na lembrança, o gosto e o cheiro do chocolate e principalmente do ovo de páscoa.É lamentável que acabou, os chocolates de hoje tem gosto de vela saborizada. Quem sabe não tenham guardado a fórmula e voltem a faazer novamente os chocolate e as famosas balas> Serei a primeira a comprar.

    Responder
  65. GILBERTO

    Realmente eu apoio a todos que deram suas opiniões sobre os produtos da Sonksen, deixou saudades a todos nós, hoje tenho 40 anos e não existem mais chocolates como o que eles fabricavam e a balinhas de cevada então, pena que essa fábrica fechou e nossos filhos não tiveram a oportunidade de experimentar os produtos Sonksen. Mesmo sendo humilde, tive oportunidade de experimentar todos. Garanto que se houver um herdeiro para reabrir a empresa, ela irá se erguer novamente, pois a Sonksen ao longo dos anos conquistaram muitos clientes que até hoje sentem saudades de seus produtos e aqueles que ainda permanecem vivos voltarão ao tempo de infância.

    Responder
  66. sebastião O.santaroza

    Voltem a fabricar as balas de cevada da litinha,não me esqueço delas, eram uma delicia.

    Responder
  67. carlos antonio cardoso

    gostaria de resgatar a fabricação das balas de cevada,

    Responder
  68. Sergio Castelo

    Creio que talvez os produtos Sonksen não fossem adequados para a época pelo custo de producao e a dificuldade de incorporar a qualidade ao valor final. Mas não tenho dúvidas que hoje há espaço para aqueles produtos maravilhosos.

    Responder
  69. Nicanor Amaro da Silva Neto

    Saudades. Só saudades de uma época “adocicada” com as balas de cevada Sonksen.

    Responder
  70. Sergio Romano

    O melhor chocolate branco que já comi , e não existe nada parecido foi o Urso Branco”

    Responder
  71. Viviane Santiago

    Ainda me lembro quando pequena, morava em frente a fábrica e quando minha mãe tinha um pouco de dinheiro sobrando entravamos na lojista, tudo de madeira e comprávamos os quadradinhos de urso branco e as bolas de geleia hummmmm sabor igual, nunca mais….. Delicia… Se alguém tiver a coragem de colocar esses produtos novamente no mercado lembrem de mim…… Sou muito fã dos produtos e até hoje conto histórias dessa fábrica….. Belas lembranças…. Seus decendentes devem ter muito orgulho dos seus avós….. Parabéns

    Responder
  72. Virginia

    Concordo com o Urso Branco. Quem comeu, nunca esquece!
    E os pães de mel q a gente comprava no mercado?

    Responder
  73. Toia

    Acordei hoje com saudades de Bala Cevada.Será que existe algum lugar do mundo onde ela ainda existe?

    Responder
  74. Charles Chadel

    Ninguem falou das balas de alcaçuz que só a Sonksen tinha … Até hoje não achei igual em nenhum lugar do mundo.

    Responder
  75. Haroldo Frederighi

    Urso Branco …..
    Como ja comentaram aqui, nao gosto de chocolate branco, mas aquele, indiscritível …
    Com certeza se voltar ao mercado com o mesmo sabor, estoura de vender.
    Aqui em Jacareí onde sempre morei so tinha uma padaria que vendia.
    Padaria Auxiliadora, a padaria esta aqui, só falta o chocolate.

    Responder
  76. Dirlene L. Carlotto

    Volta Sonksen!! Nós com 50 anos ou mais estamos órfãos dessas delicias.
    Quando está chegando a Páscoa a saudade faz lembrar daqueles ovos que vinham embalados parecia feltro, com uma flor grande prendendo o laço.
    E sobre as balinhas na latinha eu comprei na Alemanha uma bem parecida, mas não me lembro o nome mas se alguem quiser procurar foi na Galeria Kaufhof, que tem em varias cidades de lá.

    Responder
  77. Maria Aparecida Marques

    Vamos fazer um levantamento para descobrirmos onde estão os proprietários para ver se de alguma forma eles consigam através de algum patrocínio, e com as antigas receitas fazerem novamente os chocolates da nossa querida Sonksen. Me recordo que a última vez que comprei um coelho de chocolate foi uma loja da Sonksen na rua Humaitá, quase esquina com a Brigadeiro Luiz Antonio, aqui em São Paulo – Capital; e cheguei a conversar com um dos donos, que, ainda comentou que este chocolate vai manteiga na massa e não parafina como alguns chocolates que vendem por aí.

    Responder
  78. Silvana Haefeli Como

    Voltei na minha infancia …Lembrei-me do 1º dia de aula no Porto Seguro da Praça Roosevelt, que ganhávamos de nossos pais ,um enorme cone cheio de chocolates da Sonksen

    Responder
  79. SANDRA

    É REALMENTE UMA GRANDE PENA, NAO TER CONTINUIDADE EM COISAS TAO GOSTOSAS E DE QUALIDADE.SERIA MUITO BOM SE HOUVESSE A REABERTURA DESTA FANTASTICA FABRICA DE CHOCOLATES E BALAS…

    Responder
  80. Danilo Arruda Jesuíno

    Minha vó trabalhou 30 anos ,1 mês e 4 dias!!! De 1953 á 1983…ouvi e ainda ouço muitas história da empresa… É uma delicia ouvi-la!!!

    Responder
  81. Vania Contador

    Vânia, adorava as deliciosas balas de cevada. Assistia os filmes no Cine Jaú chupando as balas.

    Responder
  82. Maria de Lourdes Gallo

    Tenho saudade das balinhas de cevada, chego sentir o seu sabor… Marcaram toda a minha infância e adolescencia. A latinha vermelha, é uma lembramça. Procuro por toda parte que vou é nunca encontro essas balinhas. É receita exclusiva da SONKESEN?

    Responder
  83. Marcos

    …….e os pães de mel? Língua de gato, beiço de nega, inigualáveis. Nunca mais senti o sabor do pão e do chocolate utilizados. E as balas de cevada então. Havia uma fábrica além da Vergueiro, no Itaim, bem de esquina, se não me engano na Joaquim Floriano. O aroma que se espalhava na região era dos deuses. Só lembranças boas.

    Responder
  84. gilberto soares de barros

    O danilo arruda jesuino disse a avo trabalhou a fabrica talvez ela conheceu meu pai jose soares de barros durante 25 anos ele tambem trabalhou nessa fabrica de deliciosos chocolates.Uma pena que acabou.

    Responder
  85. carlos eduardo

    Pessoal..e eu que morava numa rua proxima a fabrica! Rua vergueirinho! Eu eu sentia o cheiro do chocolate vindo fe la!! Eu tinha a epoca .uns 12 anos . Carlos Eduardo

    Responder
  86. José Franco Pereira Junior

    Ainda tenho um ioiô de madeira que ganhei em um Salão da Criança que acontecia onde hoje é a Praça da Paz no Parque Ibirapuera. Num dos lados do ioiô há a figura da moça segurando a bandeja e o nome Sönksen por cima; acima da figura, o slogan: “Sempre o melhor chocolate” e abaixo da figura a expressão “75 anos”; pelas contas, deve ter sido o ano de 1963, quando eu tinha 11 anos. Foi por causa desse ioiô que descobri esta página que conta a história de uma das melhores fábricas de chocolates que já tivemos.

    Responder
  87. diogenes

    depoimentos fantásticos, emocionados saudosos de um produto e marca que fez parte da vida de cada um, com o passar dos anos todos temos produtos marcas que ficarão marcados em nossas vidas, parabéns a todos e que surjam novos produtos de qualidade para amenizar nossa saudade. parabéns a todos

    Responder
  88. CARLOS EDUARDO

    Meu nome é Carlos Eduardo,no Curso Técnico de ADM , Liceu Eduardo Prado,estudei com Hermann sonkesen.Por volta de 1970 , éramos colegas de classe.Alguem conheceu ou sabe o paradeiro de meu amigo.coso vc o conheça envie um email.Deve estar hoje com 62 anos mais ou menos

    Responder
  89. ELIANE GOMES ORLANDINI

    Tenho 61 anos e lembro com saudades da época que ia comprar a barra de chocolate trufell.Nao existe no mundo chocolate com sabor igual.Sou chocólatra desde pequenina da época do bis.Com dois anos pedia a minha mae mazi bizi.Ainda bem que este ainda existe mas aquela barra de chocolate com aquela trufa e uvas passa não tinha igual.Reta guardar na nossa lembrança gustativa e olfativa os prazeres que estes doces nos davam.

    Responder
  90. M.Cecilia M.C.Nicolau

    Tenho 69 anos e fui muitas vezes à fábrica para comprar chocolates e que chocolates!Meu pai era jornalista do Estado de São Paulo e gostava muito de doces .Muitas vezes saia do jornal,passava na loja da rua Augusta e nos trazia deliciosos chocolates e as balas de Alcaçuz.No período da Páscoa comprava para mim a Coelha e para o meu irmão o coelho.Vinham numa caixa de papelão cor creme. Ele e minha mãe escondiam para nos dar no domingo de Páscoa,mas eu e meu irmão descobriamos o esconderijo.Tempos bons e felizes que desencadeiam inúmeras lembranças.Maria Cecilia de Magalhães Couto Nicolau. 01/04/2015

    Responder
  91. Sandra

    Que saudades!! eu ia com meu pai buscar aqueles coelhos enormes e deliciosos, e MACIÇOS, meu irmão e eu nos deliciávamos dias e dias. Que tempo bom!!!

    Responder
  92. Edson Guimarães

    Já fiz 60, daí posso lhes afirmar que o único chocolate que se aproxima do sabor e da qualidade Sönksen são alguns da Kopenhagen(como o seu pão-de mel “VI Centenário”, este também inigualável). Sönksen das balas de cevada, em latinhas: das balas multi-coloridas, recheadas com cremes ou geleias (em infinitos sabores), deliciosas gomas imitando os bagos da tangerina, os tabletes de chocolate “Urso Branco” do mais delicioso chocolate branco que já saboreei e, também, incríveis bombons recheados com frutas, licores, e pastas, todos estes obrigatórios lá em casa. Não há no mundo chocolate com sabor como o brasileiro.

    Responder
  93. Lu

    Genteeee que saudades !!! Urso Branco o melhor de todos !!! Saudades dos menus avos !!! Traziam de caixa . Aquele cheiro, aquele gosto , o cuidado com a embalagem um a um , o desenho dos ursos !!! Deus tanta saudade que até dói !! Se existir chocolate no Paraíso , garanto que é Urso Branco !!!

    Responder
  94. Janaina

    Eu nasci em julho de 1965. Minha MÃE saiu às pressas para a maternidade. Ela estava trabalhando na Chocolates Sönksen, na linha de produção. Lá, ela sentiu as dores e seu chefe na época mandou que a levassem para o hospital. Na Sönksen trabalhavam, na mesma época, duas tias minhas.
    Minha mãe contava muitas histórias ocorridas entre as colegas e também de como era a cidade na época.
    Minha mãe e minhas tias já faleceram.
    Eu amava ouvir as histórias delas.(TEXTO CORRIGIDO)

    Responder
  95. lea

    Morro de vo0ntade das balas c
    de cevada, das latinhas vermelhas.
    ate hoje sinto o sabor

    Responder
  96. Sylvia

    A bala de cevada era tudo de bom. Saudades!
    Já procurei até fora do Brasil por alguma semelhante e não encontrei.

    Responder
  97. yramaia fogaça de almeida

    Saudades dos chocolates, das balas e tbem das embalagens, principalmente dos ovos de Páscoa que vinham com desenhos em feltro.

    Responder
  98. Mari Estela

    O mais gostoso do todos era o “FILHÓS” . Não existe!

    Responder
  99. Cristinaleite

    Na caixinha de costura de minha mãe acabei de acha a latinha branca das azedinhas sortidas
    Muito legal

    Responder
  100. Rita

    As balas de cevada marcaram a minha infância e até hoje vivo procurando na internet para saber se voltaram a ser fábricadas.

    Responder
  101. Janete Ribas

    Eu também adorava essas balas e vivo procurando se existem P comprar , quero muito achar essas balas será Q existem substitutas ?? Janete.ribas@gmsil.com

    Responder
  102. taise

    Eu era criança e comia muito chocolate Sonksen.
    Até hoje guardo uma latinha de bala.

    Responder
  103. Roberto Machado

    Rapaz !!! Minha infância foi adoçada pelas balas e bombons da Sönkesen. Que lembranças boas, aquelas latinhas com as balas de cevada eram minhas favoritas.
    Minha mãe e minha OMA (que eram Austríacas)compravam esses doces que eram uma regalia pois nessa época tudo era feito em casa. Os doces, geleias, conservas muito poucos alimentos eram comprados em lojas, essas balas eram a exceção.

    Responder
  104. gisele

    Fui espulsa do teatro mjnicipal de sp, era uma apresentação de Madalena tagliaferro , porque eu não parava deabrir e fechar a latinha de balas de cevada, devia ter uns 7 anos de idade.

    Responder
  105. Marcio

    Ano 1961, Rio de Janeiro
    Quando me levavam ao cinema (08 anos), impossível não comprar a latinha de balas de cevada da SÖNKSEN…bons tempos.

    Responder
  106. Astrid

    Não vi menção ao grande incêndio que acometeu a fábrica 🙁

    Responder
    • Blog do Curioso

      Você tem informações sobre o incêndio, Astrid?

      Responder
  107. Maria Cristina Maron

    Saudades!Melhor chovolate do Mundo!

    Responder
  108. Antonio Jacques

    Hoje ao ouvir que alguem havia me trazido uma latinha de balas- apos 40 anos de absoluto esquecimento- de imediato me veio a feliz lembrança daquela caixinha oval vermelho escuro e dos pequeninhos dedos tentando descolar apenas uma das balinhas de cevada invariavelmente grudadas pelo calor carioca. O sabor perfeito equilibrado que fazia o mundo mais suave em alguns minutos. Comparado a hoje as pequenas coisas tinham mais importancia.

    Responder
  109. Luiz fernando

    LEGAL ESSA HISTÓRIA. POIS SÓ VIM A TER ENTENDESSE DEPOIS QUE CONSEGUI DUAS LATAS COM A MARCA . E ACHEI MUITO BONITAS E QUIS SABER MAIS.

    Responder
  110. Fani

    Até hoje , eu tenho uma enorme vontade de comer as balinhas de cevada e os bombons recheados com uma geléia mais encorpada e o bombom crocante que eu comprava na bombonière do Cine Iporanga no Gonzaga em Santos

    Responder
  111. Eduardo

    Lembro do chocolate branco de várias formas vendidos por peso na Sears.
    Sabor inesquecível!

    Responder
  112. Milton Gonçalves Siqueira Filho.

    QUANDO O MAKRO INAUGUROU SUA PRIMEIRA LOJA NO BRASIL NA VILA MARIA SP.DECADA DE 70, COMPREI MUITO OS PRODUTOS SONKSEN.
    OS TABLETES DE CHOCOLATES E AS BALAS DE CEVADA NAS LATINHAS ERAM UM SUCESSO.
    SAUDADES DEMAIS…

    Responder
  113. Anônimo

    Saudades, relembrando a história dessa fábrica, minha mãe trabalhou nela por muitos anos e se aposentou lá, me lembro bem da lojinha que ficava ao lado da fábrica, amava bolinhas de amendoim… e me emocionei ao ver m8nha mãe em duas fotos da fábrica

    Responder
  114. José Gilberto do Carmo

    Anônimo; Diga-me quem era sua mãe.Pois fui encarregado da fabrica por cinco anos, sai em outubro de 1979.Devo tê-la conhecido. Meu nome é Meu nome é José Gilberto.

    Responder
  115. José Gilberto do Carmo

    Anônimo: Queria saber que é sua mãe.Trabalhei na Sonksen por cinco anos como Encarregado de Produção.Conhecia todos os funcionarios e chamava-os pelos nomes.Saudades e nostalgia da Sonksen,sempre o melhor chocolate.

    Responder
  116. Rui Pastor

    Minha infância foi nessa fábrica. Meu avô era zelador de lá.

    Responder
  117. José Inacio

    Bons tempos que não mais voltarão. Estes chocolates e balas eram considerados os melhores da América do Sul.

    Responder
  118. Elaine

    Jesus….inesquecível essas balas!!!! Desejo que resgatam as receitas e voltem a fabricá- las!!!

    Responder
  119. Vivi

    Hj com tanta tecnologia alguém devia investir na marca pq existem muitos amantes dessa marca e seus produtos.

    Responder
  120. Valquíria Pires

    Uma pena que nenhuma outra marca se interessou em desenvolver balas de cevada ( o gosto da minha infância)… Mas acabei de comer um chocolate diamante negro e derreti ele na boca. Ficaram só os cristais crocantes. Foi quando eu senti um gosto que me lembrou o das balas de cevada da Sonksen. Fui ver os ingredientes e é cevada! Que nostalgia.

    Responder
  121. Luís Henri

    Eu gostava da latinha Branca com balas sortidas coloridas e sardinhas, muito bom lembrar disso, algum empresário bem que podia ir atraz destas receitas e resgatar estes sabores e delicadezas, seria o máximo.

    Responder
  122. Anônimo

    Corrigindo, não é sardinhas e sim azedinhas.

    Responder
  123. Luís Henri

    Eu gostava da latinha Branca, com balinhas sortidas, coloridas e azedinhas; Algum empresário poderia ir atraz destas receitas e dar continuidade, seria o máximo.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This