Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Santos Dumont: 10 homenagens ao “Pai da Aviação” espalhadas pelo Brasil

15 de agosto de 2016

Na abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a homenagem ao primeiro voo do 14-Bis causou profunda irritação nos americanos, que creditam a invenção do avião aos irmãos Wright. Mas, ao mesmo tempo, mostrou ao mundo o orgulho dos brasileiros em relação a Alberto Santos Dumont. Em 2012, o SBT realizou uma votação para que o público elegesse o “Maior Brasileiro de Todos os Tempos”. Um dos 12 mais votados foi “O Pai da Aviação”. Santos Dumont se classificou para a fase eliminatória, onde passou por Tiradentes e por Juscelino Kubitschek para chegar à final. Terminou em segundo lugar, à frente da Princesa Isabel e derrotado apenas para Chico Xavier.  Um orgulho que contrasta com a ausência de um museu dedicado especificamente a ele. De todo o modo, não faltam homenagens a Santos Dumont espalhadas pelo Brasil.

O Blog do Curioso listou as 10 principais:

  1. Santos Dumont nasceu em Palmira, cidade mineira localizada a 735 km da capital Belo Horizonte. Em 31 de julho de 1932, 11 dias depois de sua morte, um decreto estadual aprovou a mudança de nome do município, que passou a carregar o nome de seu mais ilustre habitante. Em Santos Dumont, está localizada a primeira casa onde viveu o aviador. O local está no Distrito de Mantiqueira, a 16km do centro da cidade, e abriga o Museu de Cabangu. Lá, estão, entre outras coisas, as cinzas de uma das pioneiras da aviação brasileira-  Anésia Pinheiro Machado.
  2. A casa onde Santos Dumont viveu em Petrópolis (RJ) também virou atração turística na cidade. Lá, estão guardados objetos pessoais do inventor, como o seu conhecido chapéu panamá. Também estão preservados itens originais da residência, como o chuveiro e uma escada, criada pelo próprio Santos Dumont, na qual só é possível entrar pisando primeiro o pé direito (uma das superstições do criador era sempre entrar com o pé direito em qualquer lugar). No espaço, atualmente há um tour com informações sobre a vida e a obra do homenageado.
  3. No Guarujá (SP), onde Santos Dumont se suicidou, existe um pavilhão aberto para visitação ao carro fúnebre que transportou seu corpo. O Chevrolet Ramona, modelo 1929, ainda guarda os detalhes originais, como o motor seis cilindros. Naquele 21 de julho de 1932, o automóvel saiu da Avenida Puglisi (onde está localizado o pavilhão atualmente) e foi até a balsa Guarujá-Santos. De lá, o corpo seguiu para São Paulo e, depois, para o Rio de Janeiro, onde está enterrado no Cemitério São João Batista. O Grand Hotel de La Plâge, onde o inventor estava hospedado quando se enforcou, foi demolido na década de 1960. No local, funciona hoje o Shopping La Plage.
  4. A Fundação Santos Dumont nasceu em São Paulo no dia 5 de outubro de 1956. Ela foi responsável pela criação do Museu da Aeronáutica no Parque do Ibirapuera. Lá, estavam guardadas peças valiosas do acervo de Santos Dumont, como réplicas de alguns de seus aviões. As más condições de preservação, no entanto, levaram o museu a ser fechado. Algumas peças do acervo foram transferidas para o Museu da TAM, inaugurado em São Carlos (SP) em 11 de novembro de 2006. Em 21 de janeiro de 2016, as atividades do museu foram encerradas, sem previsão de retorno, em decorrência da crise econômica.
  5. Uma das maiores atrações do Museu Aeroespacial, localizado no Campo dos Afonsos, berço da aviação brasileira no Rio de Janeiro, é uma pequena estátua de Ícaro (personagem da mitologia grega que tinha o sonho de voar) segurando uma esfera de bronze. Dentro dessa esfera, preserva-se em formol o coração de Alberto Santos Dumont. Nesse museu também há uma estátua do inventor ao lado da réplica do 14-Bis.

  6. Em 20 de julho de 1974, a Prefeitura de São Paulo inaugurou um monumento em homenagem ao inventor. Uma réplica do 14-Bis foi colocada no final da Avenida Santos Dumont, próximo ao Campo de Marte, na zona Norte da cidade. A inauguração, em homenagem ao centenário do “Pai da Aviação”, provocou a mudança no nome do local: a Praça dos Bandeirantes virou Praça Campo de Bagatelle, em referência ao local onde ocorreu o primeiro voo do 14-Bis. Na madrugada de 19 de maio de 2006, justamente no ano do centenário do primeiro voo do 14-Bis, o monumento foi completamente destruído. A réplica, feita pelos artistas Oswaldo e Enivaldo Luppi, precisou ser restaurada e hoje está protegida entre grades.

  7. Em Canoas (RS), há uma homenagem a Santos Dumont na Praça do Avião, também chamada de Praça Santos Dumont. No local, há uma réplica do primeiro avião a jato a chegar ao Brasil (um F-8 Gloster Meteur inglês) em 1953 e um monumento que exalta as origens de Santos Dumont.
  8. O primeiro aeroporto civil do Brasil foi batizado com o nome de Santos Dumont. Inaugurado em 30 de novembro de 1936 e localizado sobre um aterro à beira da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, ele recebe hoje apenas voos domésticos. Os voos internacionais chegam pelo Aeroporto do Galeão (Tom Jobim), inaugurado em 1º de fevereiro de 1952.

  9. Em 17 de novembro de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou um decreto obrigando todos os aeroportos e bases aéreas do país a homenagear Santos Dumont com bustos, estátuas ou placas.
  10. O Museu do Amanhã, na Zona Portuária do Rio de Janeiro, apresentou em 2016 a exposição “Poeta Voador – Santos Dumont”. Visitantes entravam em uma réplica do Demoiselle, outro avião criado por Santos Dumont, e realizavam uma simulação de voo pela Paris ou pelo Rio do anos 1910.

Vale lembrar também de uma homenagem à Santos Dumont que acabou em tragédia. Em 3 de dezembro de 1928, o inventor chegaria de uma viagem à Europa a bordo do navio SS Cap Arcona. O Rio de Janeiro estava em festa e preparou uma grande recepção. Amigos foram além: resolveram sobrevoar o navio com um hidroavião (batizado de Santos Dumont) e jogar sobre ele pétalas de rosa. A aeronave, porém, caiu na Ilha das Cobras e afundou, matando 14 pessoas. Santos Dumont desembarcou no Rio e encontrou a cidade triste pelo que o jornal O Globo considerou “O maior desastre aeronáutico da história do país”. O próprio aviador fez questão de rechaçar qualquer homenagem e passou a auxiliar nas buscas pelos corpos.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Fatia de bolo Real guardado por 40 anos

Fatia de bolo Real guardado por 40 anos

O britânico Gerry Layton pagou 1.850 libras (US $ 2.565) pela cobertura de uma fatia de bolo servida no casamento do príncipe Charles e da princesa Diana em 1981. O colecionador estava interessado pela arte do bolo, um desenho...

O menino dos Cigarrinhos Pan

O menino dos Cigarrinhos Pan

O ator Paulinho Pompéia, garoto-propaganda dos Cigarrinhos de Chocolate Pan (em 1996, a empresa mudou o nome para Rolinhos de Chocolate, para que eles não servissem de estímulo ao tabagismo), morreu em 30 de junho de 2021, aos 72 anos.   A edição de abril de 2003...

Uma barra de chocolate com 121 anos

Uma barra de chocolate com 121 anos

Uma barra de chocolate histórica foi encontrada intacta, com embalagem e tudo, 121 anos depois de produzida. A Rainha Vitória encomendou 100 mil barras de chocolate para presentear os soldados ingleses que estavam lutando na segunda Guerra do Bôeres, entre 1899 e...

2 Comentários

2 Comentários

  1. Buck

    Campo de Marte nasceu antes

    Responder
  2. Buck

    Campo de Marte nasceu antes

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This