Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

Quando a nostalgia volta às aulas

27 de janeiro de 2012

Último final de semana antes da volta às aulas. Já combinei com a Beatriz e com o Antonio que iremos atrás do material que não foi comprado ainda (as aulas do Rodrigo, o universitário de casa, ainda demoram um pouco mais a começar). Dias atrás, recebi um e-mail cheio de fotos do material escolar de antigamente. Bateu uma saudade. Papel almaço, Letraset, Contact para encapar os livros… É verdade que tinha muita coisa ali que era do tempo do meu pai, não do meu, como a caneta tinteiro. O instrumento era caro e, pelo que ele me conta, as crianças tinham que levar na mochila um vidrinho de tinta para recarregá-lo. Apesar de pouco prática, a caneta tinteiro tinha seus caprichos – por exigir delicadeza na escrita, alfabetizava alunos de caligrafia invejável. A letra do meu pai é um espetáculo.

IARA DO CARMO. Colunista Social Propaganda da caneta tinteiro ...

Propaganda da caneta tinteiro Caloura, de 1956

O uso de tais canetas nas escolas exigia a presença nas listas de materiais de um objeto hoje extinto – o mata-borrão. A tinta das tinteiro demorava a secar, podendo causar manchas no caderno. A solução para o impasse era utilizar esse bloco de madeira de 20 cm de largura por 10 cm de altura, forrado com um papel absorvente, para carimbar cada linha escrita. O papel sugava o excesso de tinta, evitando os borrões.

Mata-borrão

Mata Borrão Luxo Pequeno E+m Germany - R$ 139,99 em Mercado Livre

A falta de praticidade também pesava quanto aos materiais utilizados em trabalhos mais artísticos. O que hoje se resolve com uma simples cola em bastão exigia algumas décadas atrás mais esforço e, certamente, mais sujeira. Até os anos de 1970, o jeito era colar papel com a goma arábica, uma cola líquida, espessa e grudenta. As agências dos Correios tinham dessa cola. Eu sou do tempo da Cola Tenaz, que também exigia muito cuidado para não deixar grudadas as páginas dos trabalhos – e os nossos álbuns de figurinhas. Para o título e ilustrações dos trabalhos, nada de imagens impressas – usava-se o estêncil, molde vazado de letras e desenhos variados.

Aditivos Ingredientes

Goma arábica, usada nas escolas antes do aparecimento da cola de bastão

Outro item cativo das mochilas das crianças do século XX e cada vez mais escasso nas do século XXI são os cadernos de caligrafia. O objetivo deles era aprimorar a estética da escrita dos alunos. Hoje em dia, tenho a impressão que as  escolas  não fazem mais questão de impor seu uso.

IARA DO CARMO. Colunista Social CALIGRAFIA Caderno das Crianças ...

Capa de caderno de caligrafia, de 1953

Depois do fim do uso de canetas tinteiro nos colégios, na década de 1960, o lápis tornou-se a principal ferramenta utilizada para a escrita pelos alunos. A indústria investiu então na inovação das borrachas, lançando no mercado aquelas em forma de lápis (o famoso lápis-borracha, que era amarelo brilhante) e as duplas (de um lado, apaga caneta e, de outro, grafite), que viraram febre entre as crianças.

 

 

Para que serve o lado azul das borrachas? - Fatos Desconhecidos

Borracha dupla: de um lado, apaga lápis; de outro, caneta.

Não só os objetos, mas também o método de ensino nas escolas evoluiu consideravelmente nas últimas décadas. Matérias como Educação Moral e Cívica foram instituídas no período da Ditadura Militar, de 1964 a 1985, priorizando a formação de cidadãos comportados e nacionalistas. Na matemática, até a década de 1990 era preciso decorar a tabuada para passar de ano. Por isso, os alunos tinham um livro de tabuada, onde havia exercícios, dicas e truques. Os mais espertinhos compravam o lápis de tabuada, onde estavam gravadas todas as contas de multiplicação que deveriam saber de cor. O complicado era ter que apontar o lápis e ir perdendo as colunas aos poucos…

 

 

Lápis preto n° 2 Tabuada Winner ⋆ Mega Papelaria

Lápis de tabuada

Pode soar estranho, mas o cheiro de álcool desperta hoje nas gerações mais antigas o sentimento de nostalgia dos tempos de colégio. Professores utilizavam o mimeógrafo para copiar provas e folhas de exercícios. A máquina era abastecida a álcool. Hoje sei que ela é usada num número bem pequeno de escolas – e está prestes a se tornar uma peça de museu.

 

Falta de Criatividade: Eu amava quando a professora usava o ...

Mimeógrafo

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Sérgio Type: o mago das máquinas de escrever.

Sérgio Type: o mago das máquinas de escrever.

No final de 2015, o redator publicitário e designer de conteúdo Sérgio Henrique de Oliveira comprou uma máquina de escrever Lettera 32 pensando em deixar o computador e a internet um pouco de lado em alguns momentos do dia. Só que a máquina de escrever mexeu de uma...

Fatia de bolo Real guardado por 40 anos

Fatia de bolo Real guardado por 40 anos

O britânico Gerry Layton pagou 1.850 libras (US $ 2.565) pela cobertura de uma fatia de bolo servida no casamento do príncipe Charles e da princesa Diana em 1981. O colecionador estava interessado pela arte do bolo, um desenho...

O menino dos Cigarrinhos Pan

O menino dos Cigarrinhos Pan

O ator Paulinho Pompéia, garoto-propaganda dos Cigarrinhos de Chocolate Pan (em 1996, a empresa mudou o nome para Rolinhos de Chocolate, para que eles não servissem de estímulo ao tabagismo), morreu em 30 de junho de 2021, aos 72 anos.   A edição de abril de 2003...

3 Comentários

3 Comentários

  1. Walter dos Santos Alves

    Marcelo.
    A minha mãe, fazia uma capa para a minha carteira , com um saco de farinha e um elástico, para não soltar. A minha carteria ficava sempre limpinha.
    Um abraço.

    Responder
  2. krika

    Ah, era sempre uma expectativa muito grande com a compra do material escolar! Usei caderno de caligrafia e tabuada. Um ícone da minha época eram as canetinhas hidrográficas, em estojos com 6 ou 12 cores(a famosa Sylvapen) Hoje em dia os estudantes não sabem ler direito, tampouco falar ou escrever! Fazer cálculos?? Pra que? A qualidade do ensino caiu muito e em consequencia, a qualidade dos profissionais…

    Responder
  3. RobertoJP

    Sou da época do Desenhocop (meados da década de 1970) e do Transfer (final dessa mesma década), a molecada adorava ilustrar seus cadernos (e trabalhos escolares, lógico) com esses produtos… e no caso das borrachas, a gente fazia daquelas enormes borrachas verdes da Pelikan os nossos ‘carrinhos de corrida’: era só desenhar as rodinhas com caneta nas laterais e pronto, já que o formato em si da borracha – cujo perfil era em paralelograma – já lembrava muito aqueles carros esporte-protótipos…
    E naquela época, ter uma daquelas lapiseiras da Compactor (cujo grafite tinha as mesmas medidas das de um… grafite de lápis comum e que por isso tinha que ser apontado, e esse apontador ficava na parte interna da própria tampa!) era coisa só de grã-finos!
    Abs., RobertoJP

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This