Novo Livro O Guia dos Curiosos - Edição Fora de Série

O sucesso e a agonia da Yaohan, a superloja japonesa que fez história em São Paulo

20 de dezembro de 2016

No dia 2 de setembro de 1971, um anúncio de página inteira na Folha de S. Paulo trazia a nissei Akiko Tanaka divulgando para o público uma novidade: a inauguração do Centro de Compras Yaohan. Apresentando-se como uma das funcionárias do “supermercado e superloja”, Akiko revelava no anúncio a veia revolucionária do empreendimento erguido na esquina da Rua Cunha Gago com a Teodoro Sampaio, em Pinheiros, Zona Oeste de São Paulo: “O método de comércio que a Yaohan trouxe do Japão são absolutamente novos”, destacava. A inauguração aconteceu no dia 24 do mesmo mês.

A ousadia dos japoneses que escolheram a capital paulista para sua primeira loja fora do Japão ficou mais evidente quando outro anúncio de página inteira trazia a bandeira da rede fincada sobre o mapa do Brasil. Acima, em um texto chamado “Obrigado, Brasil!”, Kazuo Wada, presidente da Yaohan no Brasil, creditava a chegada ao país como “uma indicação de Deus” e prometia “colaboração estreita para a melhoria do nível de vida do nobre povo brasileiro”.



Para inserir o consumidor brasileiro no contexto nipo-brasileiro em que foi erguido no ano de 1948, a Yaohan começou a sua jornada em São Paulo com uma promoção curiosa: todos os clientes que consumissem mais de 50 cruzeiros (pouco mais de 220 reais, segundo a correção do Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna) no local ganhariam uma pérola japonesa. Só nos quatro primeiros dias a loja distribuiu 18 mil pérolas. O impacto logo foi sentido pelos comerciantes de Pinheiros, que viram suas vendas cair 6% na primeira quinzena dos japoneses na cidade, em uma escala que bateria nos 30% até o fim daquele ano.

O “tratamento cordial”, regra número um aos funcionários na convivência com os clientes, estava amparado nos dogmas do Seicho-No-Ie, religião japonesa para a qual “todos os homens são filhos de Deus”. “Não havia a filosofia de lucro da empresa, mas sim de bem-estar do cliente. Todos os dias antes de abrir o supermercado o Kazuo Wada reunia os funcionários e nos passava uma mensagem espiritual”, recorda Marie Murakami, hoje com 68 anos, que trabalhou no departamento de recursos humanos da Yaohan desde a inauguração até 1976. Ela garante que o fato da empresa estar amparada em bases japonesas não excluía os demais brasileiros do quadro de funcionários: “Havia um grande número de funcionários descendentes de japoneses, mas essa não era uma regra”.

Tratava-se de uma grande megastore, uma das primeiras do Brasil a apostar na mistura de supermercado com outros serviços como brinquedos, roupas, utensílios domésticos e outros produtos (a reportagem não conseguiu fotos do interior da loja). Um generoso aporte de 1,5 milhão de dólares (hoje, 4,8 milhões de reais) foi oferecido em forma de financiamento pelo governo japonês. O diretor de relações públicas do grupo, Tsuyioshi Miyhara, afirmava aos jornais que em dez anos pretendia ter 100 supermercados espalhados pelo Brasil, além de pagar à pátria-mãe cada centavo recebido.

O centro de compras era dividido em sete departamentos: supermercado, restaurante, cama e mesa, confecção, biofarma, eletrodomésticos e artigos para presente. Dois restaurantes e o Terraço do Chope da Yaohan completavam a estrutura. Um dos restaurantes era o Shabu-Shabu, que tinha esse nome por causa de um prato japonês feito com lâminas finas de contra-filé ou lombo suíno, acompanhado de macarrão, legumes e arroz branco. Com uma linha mais popular, o restaurante Bambi era especializado em pratos árabes.



Ainda que a estrutura já fosse suficiente para impressionar qualquer paulistano da época, outros 4 mil metros quadrados foram erguidos em uma reforma de ampliação realizada em julho de 1972, menos de dez meses depois da inauguração. Um sinal de que a resposta do consumidor brasileiro aos métodos japoneses de comércio foi altamente positiva. De quebra, ao mesmo tempo, começaram as negociações da Yaohan para a construção de uma segunda loja, que seria inaugurada em setembro do ano seguinte na rodoviária da cidade de Sorocaba (SP).

A marca começou a se fortalecer também na mídia brasileira. A Yaohan ganhou um jingle interpretado pela maior estrela oriental do país naqueles tempos: a cantora, apresentadora e atriz Rosa Miyake, hoje com 71 anos. Ela estampava a capa dos pequenos discos com os jingles, que eram distribuídos nas lojas. No lado B,  a mesma Rosa interpretava “Parabéns pra você” (ouça abaixo as duas faixas). À época, ela apresentava o programa “Imagens do Japão”, patrocinado pela marca.  Foi nesse contexto que a Yaohan entrou para patrocinar também um concurso de calouros musicais: “A ideia foi do produtor Mario Okuhara”, afirma Rosa, que era casado com ele. “Sempre, na abertura do quadro, eu cantava o jingle. Foi o maior sucesso”.

A capa dos discos distribuídos aos clientes da Yaohan com o jingle da empresa (Foto: Mário Jun)

O projeto de expansão do grupo começou a ganhar contornos mais ousados e, assim, vieram também os primeiros fracassos. No dia 23 de agosto de 1973, a Yaohan fechou contrato para uma filial no Rio de Janeiro, no que seria “o maior shopping center do Rio de Janeiro”. Um mês depois, começaram as negociações com a prefeitura de Marília (SP). Nenhuma das duas lojas, no entanto, acabou saindo do papel, brecando os objetivos mais ousados de Kazuo Wada e concentrando as forças do grupo na cidade de São Paulo, onde a loja de Pinheiros continuava fazendo sucesso.

Também havia a tentativa de estreitar laços com a matriz japonesa. “Os gerentes ganhavam frequentemente viagens ao Japão para conhecer as lojas de lá”, conta Marie Murakami. Em novembro de 1973, a Miss Brasil Sandra Mara Ferreira foi convidada pela matriz para uma viagem ao Japão. A filial brasileira, em Pinheiros, ofereceu um badalado coquetel antes do embarque. Ao mesmo tempo, foram exportados 25 artigos da loja daqui para duas novas filiais japonesas construídas nas cidades de Tóquio e Osaka. Dentre esses itens, os principais eram objetos de praia.

Com os negócios evoluindo muito bem, a rede preparou uma festa para comemorar três anos de Brasil em 6 de agosto de 1974. Os Originais do Samba fizeram um show onde autografaram exemplares do “Pra que Tristeza”, o LP do grupo que acabara de ser lançado. Uma grande promoção também foi estampada nos jornais. Para terminar as comemorações, o anúncio de que 500 vagas de emprego seriam abertas para a inauguração da terceira loja: em novembro, a Yaohan abriria as portas no Shopping Center Continental, um novo conjunto comercial que seria inaugurado na Avenida Corifeu Azevedo Marques, em Osasco, Grande São Paulo.

A inauguração do Shopping Continental é um bom exemplo do prestígio do qual desfrutava o Yaohan naquele 1974: nos anúncios antes da inauguração, ainda em setembro, o supermercado era o primeiro colocado na lista de 50 estabelecimentos que já haviam firmado contrato com o shopping. Com essa loja e outras três (uma inaugurada em maio de 1975 no Butantã e as outras duas em 1976, no Mackenzie Hill de São Bernardo do Campo, e na Estrada de Parelheiros, em Interlagos), o faturamento anual estimado chegou a 250 milhões de cruzeiros (quase 550 milhões de reais segundo o IGP-DI).

O começo do fim da Yaohan em reportagem da Folha de S. Paulo

A festa de inauguração da nova sede central da filial brasileira, no Jaguaré, em dezembro de 1976, foi uma espécie de canto do cisne da Yaohan no Brasil. Dali em diante, o grupo mergulhou em uma crise inesperada. A loja no Continental Shopping foi um enorme fracasso, levando ao atraso algumas obras importantes. Além disso, o custo das importações foi se tornando alto demais para as receitas da empresa. A Yaohan entrou com pedido de liquidação judicial. Com 157 milhões de cruzeiros em dívidas (163 milhões de reais corrigidos pelo IGP-DI) e 14 empresas pedindo a falência do grupo, os japoneses hipotecaram um imóvel de 250 milhões de cruzeiros (260 milhões de reais) e com área de 5 mil quilômetros quadrados na cidade de Cubatão (SP).

Essa garantia apenas protelou a falência da Yaohan no Brasil. Em maio de 1978, a concordata preventiva conseguida pela empresa foi questionada publicamente pelos credores, que contestavam a decisão judicial e protestavam contra a queda vertiginosa dos seus créditos. A situação se arrastou até março de 1980, quando a Yaohan desistiu da concordata preventiva e, assim, teve sua falência decretada, encerrando a sua jornada de quase nove anos em terras brasileiras. “Lamentei muito o fim da Yaohan. Era um lugar muito bom de se trabalhar. A diretoria tinha o maior respeito pelos funcionários e só saí de lá porque me casei”, afirma Marie, que destaca ainda o fato dos salários oferecidos estarem acima do mercado na época.

Um pouco antes da falência definitiva no Brasil, em 1979, a empresa começou a explorar o mercado norte-americano com uma loja na cidade de Fresno, na Califórnia. Nas décadas de 1980 e 1990, a Yaohan se expandiu para a Ásia, com foco especial nas economias emergentes como Singapura, Hong Kong, China e Macau. Ao mesmo tempo, países americanos como Cuba, Costa Rica e Canadá também ganharam suas lojas. A Yaohan chegou a ter 22 lojas abertas fora do Japão e alcançou até mesmo o mercado europeu com uma filial em Londres.

O New Yaohan em Macau: única loja que preserva o antigo nome

A crise econômica do final da década de 1990, porém, atingiu mundialmente a empresa, que acabou sendo vendida em março de 2000 para o grupo financeiro Aeon, que rebatizou os supermercados como MaxValu Tokai. As lojas espalhadas pelo mundo foram cedidas para diferentes conglomerados internacionais. Em setembro de 1997 foi aberta em Macau a New Yaohan, única loja da atualidade que ainda preserva o nome dos audaciosos empreendedores japoneses que viveram uma aventura no Brasil da década de 1970.

Esta página contém links de afiliados. Ao fazer uma compra por um desses links, o Guia dos Curiosos recebe uma comissão e você não paga nada a mais por isso.

Artigos Relacionados

Sérgio Type: o mago das máquinas de escrever.

Sérgio Type: o mago das máquinas de escrever.

No final de 2015, o redator publicitário e designer de conteúdo Sérgio Henrique de Oliveira comprou uma máquina de escrever Lettera 32 pensando em deixar o computador e a internet um pouco de lado em alguns momentos do dia. Só que a máquina de escrever mexeu de uma...

Fatia de bolo Real guardado por 40 anos

Fatia de bolo Real guardado por 40 anos

O britânico Gerry Layton pagou 1.850 libras (US $ 2.565) pela cobertura de uma fatia de bolo servida no casamento do príncipe Charles e da princesa Diana em 1981. O colecionador estava interessado pela arte do bolo, um desenho...

O menino dos Cigarrinhos Pan

O menino dos Cigarrinhos Pan

O ator Paulinho Pompéia, garoto-propaganda dos Cigarrinhos de Chocolate Pan (em 1996, a empresa mudou o nome para Rolinhos de Chocolate, para que eles não servissem de estímulo ao tabagismo), morreu em 30 de junho de 2021, aos 72 anos.   A edição de abril de 2003...

39 Comentários

39 Comentários

  1. Marcelo Barbosa

    Tô tentando lembrar dessa loja

    Responder
    • MESSIAS RODRIGUES TALEVI

      MESSIAS RODRIGUES TALEVI, eu trabalhava na av. Pedroso de Morais 619, na ag. do Banco Noroeste do Estado de S.Paulo, e-mail gtallptc@uol.com.br, bem eu ganhei a pérola q. era aberta na hora e escolhida também no mesmo instante, e, uma mocinha abria e lhe entregava a PÉROLA. Eu me lembro q. na construção , os pedreiros, quebraram muitas telhas da ag. bancária deixando cair restos de concretos sobre o telhado do banco.

      Responder
  2. Marcelo Barbosa

    Tô tentando lembrar dessa loja

    Responder
  3. Akemi

    Muito obrigada pelo artigo! Não sabia sobre essa loja…

    Responder
  4. Akemi

    Muito obrigada pelo artigo! Não sabia sobre essa loja…

    Responder
  5. Gercino Eleuterio Alves

    Nossa como é bom relembrar dessa loja, trabalhei no deposito dela no bairro do Limão em 1975 e também no do Jaguaré até 1978. Como gostava dessa empresa, o respeito com que tratavam os funcionários fazia se sentir em uma grande família tanto era verdade que muitos como eu as vezes ia ajudar nas lojas de Pinheiros e Continental. Saudades.

    Responder
  6. Gercino Eleuterio Alves

    Nossa como é bom relembrar dessa loja, trabalhei no deposito dela no bairro do Limão em 1975 e também no do Jaguaré até 1978. Como gostava dessa empresa, o respeito com que tratavam os funcionários fazia se sentir em uma grande família tanto era verdade que muitos como eu as vezes ia ajudar nas lojas de Pinheiros e Continental. Saudades.

    Responder
  7. Márcio Ricardo Barros

    caramba, frequentava essa loja na teodoro sampaio quando era moleque. Lembro do restaurnate lá no terraço do prédio com um lago de carpas. Realmente era bem diferente do que tinhamos na regiao. Muitas saudades

    Responder
  8. Márcio Ricardo Barros

    caramba, frequentava essa loja na teodoro sampaio quando era moleque. Lembro do restaurnate lá no terraço do prédio com um lago de carpas. Realmente era bem diferente do que tinhamos na regiao. Muitas saudades

    Responder
  9. José Santos

    Esse supermercado fez parte da minha infância aqui na cidade dutra (zona sul de Sul de São Paulo) principalmente no setor de brinquedos no piso superior da loja. Me diverti muito.

    Responder
  10. José Santos

    Esse supermercado fez parte da minha infância aqui na cidade dutra (zona sul de Sul de São Paulo) principalmente no setor de brinquedos no piso superior da loja. Me diverti muito.

    Responder
  11. José Santos

    Esse supermercado fez parte da minha infância aqui na cidade dutra (zona sul de São Paulo) principalmente no setor de brinquedos no piso superior da loja. Me diverti muito ali.

    Responder
  12. José Santos

    Esse supermercado fez parte da minha infância aqui na cidade dutra (zona sul de São Paulo) principalmente no setor de brinquedos no piso superior da loja. Me diverti muito ali.

    Responder
  13. Elizabeth San Roma Góes

    Faz parte das minhas boas lembranças da época de estudante de medicina da PUC Sorocaba. Era muito limpa e organizada

    Responder
  14. Elizabeth San Roma Góes

    Faz parte das minhas boas lembranças da época de estudante de medicina da PUC Sorocaba. Era muito limpa e organizada

    Responder
  15. Victor Andrade

    Lembro muito bem da Yaohan. Quem quizer conhecer o que restou dela é só visitar a Preçolandia na rua Cunha Gago em Pinheiros, era ali naquele predio que ficava a Yaohan, sem nenhuma mudança

    Responder
    • Ratin

      è isso mesmo, onde hj é a PREÇOLÂNDIA, só que a YAOHAN tinha também entrada pela r.Teodoro Sampaio e pelos fundos, na rua de trás, a av.Pedroso de Moraes… Foi um ótimo centro de compras aqui em Pinheiros/S.Paulo, Capital.

      Responder
  16. Victor Andrade

    Lembro muito bem da Yaohan. Quem quizer conhecer o que restou dela é só visitar a Preçolandia na rua Cunha Gago em Pinheiros, era ali naquele predio que ficava a Yaohan, sem nenhuma mudança

    Responder
  17. Marcelo Gonzales

    Passei toda infância justamente ao lado do Yaohan, morando ali mesmo na Cunha Gago e pegava tickets do supermercado para ganhar as tais perolas…..Fazia questão de ir na abertura da loja porque achávamos muito engraçado sermos aplaudidos pelos funcionários……Saudades….Também tinha amigos … como o Bolinha, que é o irmão do Marcelo Duarte, que estudava no Fernão Dias ali pertinho … e morava numa paralela da Teodoro Sampaio..Tutto Buonna Gente..kkk…..abçs

    Responder
  18. Marcelo Gonzales

    Passei toda infância justamente ao lado do Yaohan, morando ali mesmo na Cunha Gago e pegava tickets do supermercado para ganhar as tais perolas…..Fazia questão de ir na abertura da loja porque achávamos muito engraçado sermos aplaudidos pelos funcionários……Saudades….Também tinha amigos … como o Bolinha, que é o irmão do Marcelo Duarte, que estudava no Fernão Dias ali pertinho … e morava numa paralela da Teodoro Sampaio..Tutto Buonna Gente..kkk…..abçs

    Responder
  19. Edi Corrêa

    Soube que na inauguração em Sorocaba, um dos grandes diretores da Yaohan ficou impressionadíssimo com a beleza de Sandra Mara Ferreira, Miss Brasil 1973 que a convidou para visitar o Japão.
    Era também inauguração da Rodo Center, a primeira rodoviária da cidade, que foi a grande sensação. No piso superior, a Yaohan.
    Existia um poster gigantesco da Sandra Mara Ferreira vestida de baiana nas instalações.
    Fatos que marcaram época e que ficaram na lembrança.
    Bons tempos que não voltam mais….

    Responder
  20. Edi Corrêa

    Soube que na inauguração em Sorocaba, um dos grandes diretores da Yaohan ficou impressionadíssimo com a beleza de Sandra Mara Ferreira, Miss Brasil 1973 que a convidou para visitar o Japão.
    Era também inauguração da Rodo Center, a primeira rodoviária da cidade, que foi a grande sensação. No piso superior, a Yaohan.
    Existia um poster gigantesco da Sandra Mara Ferreira vestida de baiana nas instalações.
    Fatos que marcaram época e que ficaram na lembrança.
    Bons tempos que não voltam mais….

    Responder
  21. Sonia Maria

    Me lembro muito dessa loja de departamentos……morava perto então para mim era fácil e tinha de tudo…..é uma pena saber que não têm mais á loja de Pinheiros.

    Responder
  22. Sonia Maria

    Me lembro muito dessa loja de departamentos……morava perto então para mim era fácil e tinha de tudo…..é uma pena saber que não têm mais á loja de Pinheiros.

    Responder
  23. Francisco Irapuan

    Me lembro com muita saudades,pois trabalhei em 1974 no Bairro do Limão,me lembro do gerente Marcio, uma pessoa maravilhosa e que todos os dias antes de começarmos as atividades reunia os funcionários para uma mensagem espiritual e ainda cantávamos uma música em japonês,época muito boa.

    Responder
  24. Francisco Irapuan

    Me lembro com muita saudades,pois trabalhei em 1974 no Bairro do Limão,me lembro do gerente Marcio, uma pessoa maravilhosa e que todos os dias antes de começarmos as atividades reunia os funcionários para uma mensagem espiritual e ainda cantávamos uma música em japonês,época muito boa.

    Responder
  25. Julimar Gomes Ferreira

    Tive o prazer de conhecer quando morei em Pinheiros, quanta saudades…

    Responder
  26. Julimar Gomes Ferreira

    Tive o prazer de conhecer quando morei em Pinheiros, quanta saudades…

    Responder
  27. carlos m

    conheci essa rede aqui no japao e nao sabia que tinha ai no brasil

    Responder
  28. carlos m

    conheci essa rede aqui no japao e nao sabia que tinha ai no brasil

    Responder
  29. Dorival Pereira

    Ótima lembrança e matéria bem feita. Trabalhei na Yaohan Brasileira Ltda de Pinheiros de 74 a 76. Hontone!

    Responder
  30. Dorival Pereira

    Ótima lembrança e matéria bem feita. Trabalhei na Yaohan Brasileira Ltda de Pinheiros de 74 a 76. Hontone!

    Responder
  31. Amauri Liandro de Souza

    Eu trabalhei na loja do Continental Shopping Center, de 12/1975 a 12/1976, lembro como se fosse ontem, o Sr. Waiti Aoki era nosso GG, bons tempos.

    Responder
  32. Amauri Liandro de Souza

    Eu trabalhei na loja do Continental Shopping Center, de 12/1975 a 12/1976, lembro como se fosse ontem, o Sr. Waiti Aoki era nosso GG, bons tempos.

    Responder
  33. Paulo Prado de Medeiros

    Logo que voltamos a morar em São paulo, eu com 5 anos, em 1978, nos mudamos para a esquina da Teodoro com a Fradique Coutinho, e sempre iamos na Yaohan para comprar presentes… seu fechamento pegou minha familia de surpresa.

    Responder
  34. Milton Akio Sanuki

    Meu pai trabalhou no Yaohan de pinheiros na seção de peixaria e de vez em quando fazia uns bicos no restaurante do quando havia festas e reuniões e trazia para casa algumas das comidas, eram uma delicia,

    Responder
  35. Marcia

    MA RA VI LHO SA reportagem. Meu pai seeeempre nos levava nesse restaurante. A comida era DELICIOSA. Até hoje fazemos comentários e a saudade é tamanha que resolvi pesquisar sobre o assunto. Já faz 45/46 anos que fechou e ainda sentimos o sabor do yakyssoba na boca. Já visitamos todos restaurantes japoneses de São Paulo mas nenhum é igual.
    E a musiquinha canto até hoje kkkkkk tínhamos o disco compacto.
    Preciso procurar e ver se está comigo. QUE BOM LER ESTA MATÉRIA. OBRIGADA

    Responder
  36. Alexandre Zamariolli

    Conheci a loja de São Paulo e frequentava a do Shopping Continental (morei em Osasco entre 1974 e 1976). Dá saudade, eram lugares muito bonitos.

    Responder
  37. Rosana Coelho

    Também fiz parte desta família em Sorocaba de 1974 a 1978. Muitas lembranças boas

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share This