Na última terça-feira, dia 7, foi inaugurado na Suécia um museu inteiramente dedicado à banda Abba. A nova atração turística da cidade de Estocolmo promete atrair tanto fãs da banda quanto os curiosos em geral. Isso porque os curadores responsáveis abusaram da cenografia para montar o acervo do museu. Além de pôsteres, autógrafos, discografias e registros de shows, o público é convidado a visitar réplicas de uma série de ambientes frequentados pelos integrantes do conjunto durante a carreira, entre os quais, o estúdio de gravação, o camarim e até a cozinha da casa dos integrantes Ulvaeus e Agnetha, que foram casados.

As inovações não param por aí. Um dos pontos altos do museu musical é a presença de um piano remotamente conectado ao piano de Benny Andersson. Sempre que ele tocar as teclas de seu instrumento, o som será enviado à sala do museu. Outra instalação criativa é a de um telefone cujo número só os integrantes do Abba têm. Se o aparelho tocar, qualquer visitante pode atender e bater um papo com um dos ídolos.

Apesar de os membros do Abba não tocarem juntos desde 1982, eles ainda fazem música individualmente. Para saber mais sobre a banda, conheça o livro Mamma Mia!, de Daniel Couri, cheio de curiosidades sobre a trajetória do Abba.
O Blog do Curioso encontrou outros museus muito parecidos com o da banda ABBA:
The Allman Brothers Band Museum


A The Allman Brothers Band foi formada em 1969. No início dos anos 70, três dos seis integrantes da banda moraram juntos em uma mansão na cidade de Macon, na Geórgia, Estados Unidos. Foi lá que eles criaram grande parte do repertório, que mistura rock com blues, jazz e country. O casarão, apelidado de “The Big House”, abriga hoje um museu em homenagem à banda, que, depois de 44 anos de estrada e treze discos na bagagem, ainda produz música. Os visitantes têm a chance de circular pelos cômodos originais da casa, que incluem estúdios de música, salas de lazer e os quartos de cada integrante. O museu promove encontros de fãs com a banda esporadicamente.
Graceland Mansion

Outra casa que foi transformada em museu foi a Mansão de Graceland, onde morou o lendário Elvis Presley. No museu, os fãs podem explorar quase todos os cômodos da casa: sala de estar, estúdio musical, quarto de hóspedes, sala de jantar, cozinha, sala de televisão, piscina e o famoso “Jungle Room” (quarto decorado com plantas e fontes de água, que serviu como estúdio de gravação dos dois últimos álbuns de Elvis). O único cômodo fechado para visita é justamente o quarto do Rei do Rock – dizem que só a filha dele, Lisa Marie Presley, tem autorização para entrar lá.

The Beatles Story

Não é de se espantar que a banda mais famosa do mundo tenha um museu só para ela. O The Beatles Story está localizado justamente em Liverpool, cidade inglesa onde os garotos iniciaram sua carreira. A estrutura do museu é organizada em réplicas de cenários que contam a história da banda. O passeio começa com uma visita ao Casbah, bar que abrigou a primeira apresentação do grupo. No caminho, os visitantes deparam com uma réplica dos estúdios Abbey Road, e são surpreendidos por um convite a explorar um submarino amarelo (referência à música Yellow Submarine) instalado debaixo d’água. Qualquer semelhança com o Museu do Abba não é mera coincidência. A atração sueca foi inspirada no exemplar inglês.